Search
Close this search box.

patricio_artigoPatrício é deputado distrital pelo PT e corregedor da Câmara Legislativa do Distrito Federal

O mês que passou, mais especificamente o dia 28 de fevereiro, trouxe para nós, brasilienses, a lembrança de uma data bastante significativa na história política da Capital da República. A iniciativa da Câmara Legislativa de extinguir por unanimidade o pagamento do 14º e 15º salários aos parlamentares completou um ano e a data coincidiu com a votação, pela Câmara dos Deputados, do fim do benefício no Congresso Nacional ,67 anos depois de ser instituído.

A data concretiza o símbolo de uma mudança de paradigma na política do Distrito Federal e do País. O dia em que nós, parlamentares, nos rendemos à voz daqueles que nos elegeram como seus representantes e acabamos definitivamente com o benefício que contrariava a vontade popular.

Temos recebido críticas de que só agimos por conta da pressão popular e tenho respondido que é exatamente esse o segredo da mudança. Somente por meio desse movimento popular, visto em vários episódios da nossa história, é possível modificar culturas e reverter ações daqueles que foram eleitos legitimamente como representantes da população que nos cobra diariamente ações condizentes com a sua expectativa, com responsabilidade e transparência, eficácia e eficiência.

Me orgulho de ter liderado, como presidente da Câmara, esse movimento inédito e constante de que a Casa do Povo se volta para aqueles que ela representa. Uma das minhas primeiras atitudes como parlamentar, em 2006, foi abrir mão dos salários extras porque nunca concordei em receber tratamento diferenciado dos demais trabalhadores, que só recebem até o 13º.

Em 2012, como presidente, levei à votação em plenário o projeto aprovado por unanimidade que extinguiu de vez o benefício. Pela vontade popular, colaboramos para estender o bom exemplo que aprendemos em casa para o Congresso Nacional e para dezenas de assembleias legislativas em todo o país.

A Câmara Legislativa vive tempos áureos depois uma crise institucional que feriu gravemente a sua imagem e manchou longos anos de sua importante história na autonomia política do DF. Esse tempo é consolidado por uma série de importantes mudanças iniciadas com a 6a legislatura, em 1º  de janeiro de 2011. Além de extinguir o 14º e 15º salários, tomamos atitudes firmes e enérgicas para acabar também com o nepotismo na Casa, exigimos a Ficha Limpa de atuais e novos servidores, economizamos mais de R$ 170 milhões, revertemos a índices históricos a participação da Casa na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

O resgate da imagem de um poder já acostumado a viver sempre cercado de críticas negativas de todos os setores da sociedade foi determinante nessa quebra de paradigma. Consolidamos, assim, o novo tempo de transparência, austeridade e esperança, que sintetiza o nosso compromisso na importante tarefa de consolidar, cada dia mais verdadeiramente, a Casa do Povo e de contribuir com ações concretas e eficazes para a melhoria da qualidade de vida da nossa cidade.

Compartilhe!