A Unale, em parceria com a Sygenta e com o apoio da Astral (Associação de Rádios e TVs Legislativas) realizou em todos os seus canais digitais na noite desta terça-feira (15), a retransmissão da MultiLive “Os desafios do agronegócio para 2021”.

Ao iniciar o debate, a presidente da entidade, deputada Ivana Bastos (PTD-BA) agradeceu a participação de todos os presentes, de maneira online, e destacou a relevância de se levantar a discussão sobre o futuro do agronegócio para o próximo ano, visto o cenário de pandemia que toda a sociedade tem vivido com a Covid-19. “A Unale tem utilizado das tecnologias para agregar no processo decisório de disseminação de importantes políticas públicas para a sociedade em diversos segmentos e a agricultura é um deles”, destacou Ivana.

No início do evento, o deputado estadual e também presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Lissauer Vieira (PSB-GO), comentou um pouco sobre o foco do agronegócio em 2021 no estado de Goiás. “O estado de Goiás é destaque em exportações e vem apresentando ano após ano alta nesse setor, segundo um levamento feito pela CONAB na safra de 2019/2020 nosso estado produziu 27 milhões de toneladas, com destaque para soja e milho, nossa expectativa e que o estado apresente crescimento também em outros cultivos da safra de 2020/2021”, afirmou o presidente da Casa Legislativa da Goiás.

Em seguida, o presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (Alers), Ernani Polo (PP-RS) assumiu a fala dizendo que o agronegócio é um desafio fundamental. “Aqui mesmo, no Rio Grande do Sul, nós temos trabalhado muito para avançar na irrigação e ainda existem alguns gargalos para superar, principalmente, no que diz respeito à armazenagem de água e à ampliação de energia elétrica, estes que são dois fatores fundamentais para que possam nos proporcionar uma maior estabilidade em momentos de estiagem,” falou o deputado.

Dando continuidade ao debate, o deputado Eduardo Salles (PP-BA), que é agrônomo e presidente da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), disse que é necessário que o País aumente a sua produtividade para fazer com que o setor agropecuário fortaleça a sua competitividade, primando pela sustentabilidade em todos os processos.

O presidente da Secretaria de Agricultura da Unale, deputado Marcio Fernandes (MDB-MS), acrescentou ao debate as necessidades dos pequenos e médios produtores tendo em vista todo este cenário de pandemia que gerou uma crise econômica para 2021. Para ele, “a política rural, agrária e pesqueira deve ser fortalecida em todo o Brasil e assim retomar com a produção agropecuária para restabelecer o setor econômico”. Fernandes ainda acrescentou que “os pequenos e médio produtores têm uma importância muito grande para a agricultura familiar e que no Mato Grosso do Sul eles têm assistência técnica para isso”, encerrou.

Na Live foi destacada que a produção de alimentos é estratégica para o Brasil para geração de trabalho e renda e também para a pauta de exportações. O balanço e perspectiva do setor para 2021 apresentado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) em 1º de dezembro deste ano, indica que haverá equilíbrio da oferta e da demanda com uma produção maior para a maioria dos alimentos em 2021. A CNA também aponta o crescimento de 4,2% para o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP), índice de frequência anual. Este é calculado com base na produção agrícola municipal e nos preços recebidos pelos produtores. Conforme a CNA, 102,9 mil postos de trabalho foram gerados no setor.

Por Camila Ferreira/ Ascom Unale