O presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), deputado Alencar da Silveira Jr., defendeu avotação única no Brasil, dentro dos debates sobre a reforma política, realizados nesta terça-feira (26-04) na Câmara Federal. Alencar e outros parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e da Unale estiveram hoje em Brasília para participar das discussões.

O presidente da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), deputado Alencar da Silveira Jr., defendeu avotação única no Brasil, dentro dos debates sobre a reforma política, realizados nesta terça-feira (26-04) na Câmara Federal. Alencar e outros parlamentares da Assembleia Legislativa de Minas Gerais e da Unale estiveram hoje em Brasília para participar das discussões.A Comissão realizará diversas audiências pelo Brasil para debater os temas da reforma, começando por Goiás, na próxima sexta-feira, dia 29.

O presidente da Unale aproveitou para reiterar o apoio da entidade à causa. “Contamos hoje com mais de 600 parlamentares estaduais filiados a Unale, que acreditam que o Brasil deve ter uma discussão aberta para a melhoria do sistema eleitoral brasileiro”, afirmou Alencar. O deputado lembrou também, que em Minas Gerais existem parlamentares eleitos com cerca de 30 mil votos, enquanto outros candidatos que obtiveram mais de 60 mil votos, não conseguiram entrar por conta do coeficiente eleitoral. O presidente da Comissão da Reforma Política na Câmara Federal, deputado federal Almeida Lima, elogiou o trabalho que a entidaderealiza sobre a reforma. “Aprecio e agradeço o apoio da Unale na construção da Reforma Política”.

A Unale se prepara para realizar a XV Conferência Nacional de Legisladores e Legislativos Estaduais (CNLE), que acontecem Florianópolis nos dias 18, 19 e 20 de maio. O evento é o maior fórum legislativo do País. Durante a Conferência será debatida a questão da Reforma Política, além da elaboração de um documento comtodas as informações sobre o debate, que será entregue as Comissões, tanto da Câmara, quanto a do Senado.

Compartilhe!