Folha de São Paulo

São Paulo – Três empresas – JBS, a dona da marca Friboi, Ambev, a das bebidas, e OAS, a construtora – são responsáveis por 65% do financiamento das campanhas eleitorais pela Presidência da República até aqui.

O dado é da primeira rodada de prestações de contas das campanhas, conjunto de informações divulgado nesta quarta-feira (6) pelo TSE.

No total, os 11 candidatos a presidente e seus comitês financeiros arrecadaram R$ 31,2 milhões. As empresas são responsáveis por 91% desse total. Outros 6% são de financiamento público, por meio dos Fundos Partidários. Pessoas físicas contribuíram com os demais 3%.

A JBS lidera o ranking de financiadores. Foi a empresa que mais doou para a presidente Dilma Rousseff (R$ 5 milhões), a que mais doou para o senador tucano Aécio Neves (também R$ 5 milhões) e ainda a segunda da lista do candidato do PSB, Eduardo Campos (R$ 1 milhão).

Os R$ 11 milhões investidos pela JBS representam 35% do total geral desta primeira rodada de contas eleitorais.

Por meio de sua assessoria, a empresa informou que “faz esse tipo de doação há bastante tempo” para “participar do processo político”.

“Nossas doações seguem as relações que mantemos com os partidos, nacionalmente e nos Estados”, disse. “As doações ao PT e ao PSDB foram maiores por conta da maior presença e pulverização desses partidos no país”, disse a firma.

A empresa disse que ainda irá avaliar se fará novas contribuições aos candidatos nas próximas semanas.

A Ambev repassou R$ 6,7 milhões aos presidenciáveis do PT, PSDB e PSB. A OAS deu R$ 2,6 milhões, somando as contribuições para Aécio e Campos.

Publicado em 07/08/14

Compartilhe!