O deputado José Luis Tchê (PDT) disse nesta terça-feira, 19, que ainda tem esperança de que os estados da Amazônia sejam contemplados com alguma compensação no acordo que seria assinado hoje pelos países participantes da Conferência das Nações Unidas Sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio + 20). “Tenho certeza que estaremos incluídos na Carta da Rio + 20 por estarmos preservando a Amazônia, pois estamos lá representados por deputados federais, senadores e governadores. Se não houver uma compensação esta conferência é papo pra boi dormir. Estamos cansados de discurso, quem preservou tem que ser compensado”, declarou Tchê.

O deputado lembrou que a conferência Rio + 20 faz um balanço da conferência Rio 92 ou Eco 92 e, portanto, deveria ser realizada também uma conferência Rio 2013 para avaliar a de 2012 e uma de 2014 e assim sucessivamente. “Pois se não fizermos assim se esquece o que foi acordado lá atrás e os acordos não produzem efeito”, argumentou.

Proatividade

Ex-presidente da Unale e atual secretário-geral da entidade, Tchê tem defendido na Aleac a implementação de uma pauta de atividades parlamentares que produzam efeitos concretos. Por esta razão, ele cumprimentou o deputado Eduardo Farias (PCdoB) por sua defesa da construção de barragens no rio Acre como forma de combater a crise de abastecimento de água na capital e controlar as enchentes.

“O deputado Eduardo Farias engrandece o debate nesta Casa. Acredito que estas iniciativas fazem esta Casa virar a página de 50 anos entrando com o pé direito ao realizar audiências públicas e seminários, criando uma agenda proativa”, observou.

Dívidas de servidores

O deputado Tchê ainda requereu junto à Mesa Diretora informações sobre a quantidade de servidores da Aleac que contraíram empréstimos consignados, o montante da dívida contraída e quais as instituições financeiras que estão concedendo estes créditos.

O objetivo, segundo ele, é verificar o valor da dívida com cada uma destas instituições para estudar uma fórmula de recálculo das pendências, a exemplo do requerimento anterior, de sua autoria, tratando da dívida dos servidores do Poder Executivo.

“Há anos atrás a gente já previa que os servidores iam contrair uma dívida que viraria um bola de neve e ninguém mais iria conseguir pagar. É preciso chamar instituições financeiras e fazer a renegociação das dívidas”, argumentou.

Tchê também sugeriu a data de 9 de agosto para colocar em discussão no plenário a criação de uma frente parlamentar em defesa dos consumidores de energia elétrica e de telefonia.

Ele explicou que esta data está em consonância com um calendário que vem sendo montado em diversos estados a partir da criação de uma frente parlamentar com o mesmo objetivo na Câmara Federal. “A ideia é fazer um debate, haja visto que a energia do Acre é a mais cara do Brasil e muito se diz que 50% da energia distribuída é desperdiçada”, concluiu.

Texto: João Maurício – Agência Aleac

Foto: J. Simão – Agência Aleac

Compartilhe!