O presidente do Parlamento Amazônico, deputado estadual Luiz Tchê (PDT/AC), criticou a composição da Comissão Especial do Código de Mineração do Congresso Nacional que, segundo ele, é composta por 40% de parlamentares do Estado de Minas Gerais, distribuição que garante ser negativa à discussão nos demais Estados e regiões do País.

O alerta do deputado foi feito na entrevista concedida durante a realização do II Encontro do Parlamento Amazônico, que aconteceu na Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins na última segunda-feira (26). “Com essa composição, naturalmente Minas poderá ter mais vantagens em detrimento das demais regiões brasileiras”, criticou.

O evento de Palmas foi promovido pelo Parlamento Amazônico, entidade que é composta pelos nove estados da Amazônia Legal, e tratou do marco regulatório da mineração nacional que é objeto de estudo pela Comissão Especial do Congresso. Luiz Tchê garante que as cartas vão ser levadas ao Congresso Nacional para ressaltar a importância dos estados e municípios no debate e na participação dos recursos minerais.

Fonte: Agência ALTO

Compartilhe!