Por: Carlos Thadeu

Poder 360

A recuperação da atividade econômica este ano está contratada, não é novidade. As revisões para cima de estimativas do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 são reflexos das medidas de estímulo e enfrentamento à pandemia, mas são também uma resposta positiva à maior imunização dos brasileiros e expectativas mais elevadas para a atividade no 2º semestre. O cenário de retomada mais rápida da economia reforça o alerta aos riscos inflacionários, o necessário aperto na política monetária, porém com moderação no ritmo de alta dos juros.

Passados 17 meses de pandemia no país, os indicadores econômicos coincidentes, ou que olham a economia pelo retrovisor, mostram que alcançamos os níveis anteriores à crise sanitária na indústria, no comércio e nos serviços. E os indicadores antecedentes, ou aqueles que tentam antecipar decisões dos agentes, pintam um quadro mais colorido neste 2º semestre, e indicam desempenho econômico favorável em 2021.

De acordo com os dados divulgados semana passada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o crescimento no volume de receitas fez o setor de serviços alcançar o mesmo nível de fevereiro do ano passado. E um dos destaques foram os serviços prestados às famílias, os quais necessariamente envolvem deslocamento e aglomeração de pessoas. O avanço de +17,9% está relacionado à flexibilização do isolamento social que, com a redução nos indicadores de incidência e mortalidade por covid-19, tem estimulado à demanda por serviços pela população, como por exemplo os serviços de alojamento e alimentação.

O comércio também teve desempenho positivo pelo 2o mês seguido, após uma queda no volume de vendas em março. Em maio, o varejo superou em 3,9% o volume de produtos transacionados em fevereiro do ano passado.

Embora ainda se note maiores vendas nos segmentos essenciais (alimentos e farmacêuticos) e associados à mudança temporária de comportamento dos consumidores (materiais de construção e móveis/eletrodomésticos), outros como vestuários, calçados e acessórios sobressaíram positivamente no mês. Esse ramo foi um dos mais afeitados pela pandemia, e para ampliar o efeito benéfico da maior circulação de pessoas nas ruas, tem ainda antecipado o movimento de liquidações e promoções típicas de mudança de estação.

Do grande setor de serviços, o turismo é o único que ainda acumula perdas, e está com nível de atividade 34,7% abaixo de antes da pandemia, especialmente pela dificuldade de retomada das vendas no segmento de serviços hoteleiros.

Parte do consumo de produtos e serviços no país ainda está represada e, com o retorno aos compromissos presenciais e mais pessoas circulando nas ruas, a atividade no setor terciário tende a acelerar. A conversão da poupança precaucional e da circunstancial acumuladas ao longo de 2020 em consumo de produtos e serviços vai ajudar a sustentar a retomada, mas não sem impacto nos preços.

O bom desempenho do comércio, juntamente com a volta do auxílio emergencial em abril, a antecipação do 13º salário aos beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), bem como a perspectiva de ampliação do bolsa família têm animado os varejistas.

Os comerciantes estão otimistas com a economia e o desempenho do comércio, como aponta o crescimento acima dos 100 pontos do Icec (Índice de Confiança do Empresário do Comércio) de junho, apurado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) com os tomadores de decisão do varejo. O indicador de confiança do comércio atingiu a zona positiva este mês, o maior nível desde dezembro do ano passado e o 1º aumento em 6 meses.

O 2º semestre concentra datas importantes ao comércio, o que faz desse período o mais relevante do ano em termos de atividade no setor. Não à toa, este ano vai coincidir com a aceleração no calendário de imunização da população contra a covid-19 em diferentes cidades, o que naturalmente já se faz sentir nos indicadores antecedentes.

Em julho, a intenção do comerciante de investir na empresa chegou ao maior nível desde abril de 2020, com destaque para a contratação de funcionários. Apesar da PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), realizada pelo IBGE, apontar um contingente significativo de desocupados no país (14,8 milhões de pessoas), o setor terciário tem sido consistente na geração de vagas no mercado de trabalho formal nos últimos meses, como mostram os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia. E o comerciante tem hoje a maior intenção de contratar desde novembro/dezembro do ano passado. Também já se percebe uma pequena melhora nas condições de recomposição dos estoques no varejo.

Embora ainda existam riscos e incertezas quanto aos impactos de novas variantes, como a delta, por exemplo, a pandemia está perturbando cada vez menos a economia, empresas e famílias estão mais resilientes e o risco fiscal foi apaziguado pelo menos este ano. A ampliação dos programas de transferência de renda seguirá apoiando a recuperação do consumo doméstico e da demanda das famílias, no entanto, a inflação mais elevada pode limitar esse impulso.

O risco de a inflação superar o limite superior da meta deste ano é alto, acima de 70%, como reconhece o Banco Central. Esse fenômeno tem ocorrido em outras economias, nos Estados Unidos, por exemplo, como consequência dos pacotes de medidas de auxílio, injeção de liquidez e compra de ativos privados. Mais inflação equivale a perda de renda real da população, o que tem afetado especialmente as famílias brasileiras de menor renda desde o início do ano. Para isso, o remédio mais eficiente é a política monetária mais apertada, como temos visto no ciclo de alta dos juros iniciado em março.

Por sua vez, os juros mais elevados implicam no maior comprometimento da renda das famílias com dívidas, sendo que mais de 70% delas estão endividadas, atualmente. O foco agora é evitar que a inadimplência aumente a ponto de prejudicar a ampliação do consumo via crédito. Com restrições orçamentárias e limitações na renda do trabalho, o crédito continuará com maior protagonismo na sustentação da demanda das famílias ao menos este ano.

Em suma, a foto do país mudou, em um curto intervalo temos hoje uma política fiscal expansionista e uma política monetária necessariamente contracionista, pois os juros reais permaneceram muito baixos durante um período longo, em razão da incerteza causada pela crise sanitária aqui e no mundo.

Com a reabertura da economia e a retomada do setor terciário, os preços dos serviços vão pressionar ainda mais a inflação, e isso é aguardado. O mercado vem tentando identificar o momento em que esses preços se reajustarão. Já as cotações internacionais das commodities devem seguir elevadas neste e no próximo anos, em razão do déficit existente nos estoques versus as necessidades da demanda.

A inflação passa a ser, novamente, o ponto de atenção na recuperação da economia doméstica, em que o aperto monetário se faz necessário, porém tem de ser muito bem calibrado com os juros neutros, sem exageros na dose.