Por: Carlos Thadeu

Poder 360

Temos falado muito sobre a transformação digital que vem acontecendo no Brasil e no mundo, principalmente durante a crise da covid-19. O isolamento social obrigou os consumidores a se acostumarem com as compras on-line, onde o dinheiro em espécie não é importante.

Os comerciantes também precisaram se adaptar a esse novo método de venda, transferindo seu portfólio para o mercado on-line. Mas o varejo, mesmo antes da pandemia, vinha se acostumando à redução gradual da utilização das células e moedas, sendo substituídas pelos cartões de crédito e débito e, mais recentemente, pelas carteiras digitais.

A implementação do Pix e o início da 1ª fase do open banking estão incentivando a transformação digital, como discutimos neste espaço, apoiando-se em sistemas totalmente digitais e dinâmicos. O objetivo é fazer com que o avanço tecnológico leve o Brasil a um novo patamar neste século, com uma economia mais moderna, ágil, transparente e competitiva.

Porém, percebe-se que apenas incentivos não são suficientes para essa evolução. Segundo dados do Banco Central (BC), o número de cédulas em circulação aumentou 20,4% de dezembro de 2019 a dezembro de 2020, enquanto o número de moedas cresceu 3,1%. Em valores reais, foi um incremento de 32% no valor em espécie em circulação na economia nesse período.

E, neste ano, o uso da moeda em papel segue crescendo. Em 23 de abril de 2021, o valor de moeda em circulação superou os R$ 340 bilhões, um aumento de 24,2% em relação ao mesmo dia em 2020. Isso mostra que o momento de incerteza proporcionado pela 2ª onda da pandemia faz com que as famílias sigam recorrendo a sua forma mais básica de segurança monetária, o “dinheiro vivo”.

Esse movimento de retenção da moeda em papel também pode ser observado no fluxo de poupança, acompanhado pelo Banco Central. Em março, a caderneta de poupança registrou captação líquida negativa, de R$ 3,5 bilhões, pelo 3º mês consecutivo com retiradas acima dos depósitos. Em 2021, no acumulado até 22 abril, a poupança já somou saída líquida de R$ 27,5 bilhões.

O saldo negativo da poupança nos últimos meses reflete os maiores gastos das famílias, assim como o maior endividamento no cartão de crédito. Mas a acumulação de estoque monetário em papel-moeda mostra ainda que muitos consumidores estão se apoiando no dinheiro em espécie como garantia financeira.

Um dos motivos para esse entesouramento é o medo dos brasileiros de um novo confisco monetário, um fantasma do passado que permanece na memória dos cidadãos. Além disso, há o receio de novas cobranças de impostos com a utilização dos novos processos e tecnologias, como o Pix e o open banking.

Muitos consumidores também não se sentem confiantes em utilizar o Pix por medo de fraude ou de que suas informações sejam mal utilizadas por terceiros. Por isso, é importante ressaltar que esse programa tecnológico é centralizado somente no Banco Central e a Receita Federal não tem acesso aos dados das operações realizadas, a menos que haja quebra de sigilo judicial.

Como outra forma de segurança digital e a fim de informar os usuários, o Banco Central e as instituições participantes do Pix lançaram a campanha “O Pix é novo, mas os golpes são antigos”. O objetivo foi proteger os usuários contra as fraudes mais comuns envolvendo o sistema.

O Pix está em constante aprimoramento, com cada vez mais funcionalidades agregadas. Como discutimos recentemente, uma das mais recentes anunciadas foi o Saque Pix, que dará ao varejo a possibilidade de oferecer ao consumidor a função de saque em dinheiro.

Outra função é o Pix Cobrança, que já está perto de ser completamente liberado para utilização, sendo que o pagamento instantâneo com QR Code já é permitido e substitui o cartão de débito. Fica faltando apenas permitir a possibilidade de acrescentar multas e juros na cobrança.

A modalidade Pix Conta Salário, que permite a transferência de salários sem custo para qualquer banco, deve ser implementada até junho, enquanto o Pix por aproximação deve estar em funcionamento até dezembro deste ano.

Já em junho de 2022 deve haver a possibilidade de parcelamento de pagamentos futuros, com o Pix Garantido, além da facilidade de agendamento de débito de contas recorrentes, com o Pix Débito Automático. O Pix Internacional, que possibilita o envio de remessas financeiras entre pessoas de países diferentes, deve ser liberado entre 2023 e 2024.

Em relação ao open banking, trata-se de uma transferência bilateral de informações entre instituições financeiras, não alcançando nem mesmo o Banco Central, que fica responsável apenas pela fiscalização do sistema. Portanto, o fato de não ter interferência direta do governo deve tranquilizar os usuários e estimular sua adesão.

Um novo processo que está em estudo pelo Banco Central é o lançamento de uma moeda digital oficial operada por bancos centrais, em 2022. Espera-se que, com a emissão lastreada e valor garantido pelo BC, essa nova modalidade dê segurança suficiente para a população se digitalizar e aderir a essa nova forma de moeda, reduzindo, assim, os custos com a emissão monetária.

Contudo, antes do mundo aderir as moedas digitais lançadas pelos bancos centrais, precisa-se definir e estabelecer o relacionamento entre essas novas moedas e os bancos privados. Afinal, eles utilizam os depósitos para concessão de empréstimos. Uma possibilidade é que o BC distribua depósitos para os bancos comerciais, para que esses continuem a ofertar crédito e movimentar o sistema financeiro por meio da moeda criptografada.

Vamos precisar de tempo e maior sensação de segurança pelos consumidores para alcançar todas as possibilidades geradas pela evolução tecnológica. Mas toda essa renovação sem dúvidas é essencial para o progresso da nossa economia.

Compartilhe!