Os desafios do setor cooperativista no Congresso Nacional foram apresentados durante o lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo – Edição 2012. O evento, que aconteceu na última terça-feira (28) na Casa do Cerrado, em Brasília, reuniu lideranças do movimento, parlamentares estaduais e federais, e representantes do setor.

Os desafios do setor cooperativista no Congresso Nacional foram apresentados durante o lançamento da Agenda Legislativa do Cooperativismo – Edição 2012. O evento, que aconteceu na última terça-feira (28) na Casa do Cerrado, em Brasília, reuniu lideranças do movimento, parlamentares estaduais e federais, e representantes de lideranças do setor.

A apresentação do evento foi feita pelos presidentes da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Márcio Lopes de Freitas, e pelo presidente da Frente Parlamentar do Cooperativismo, senador Waldemir Moka (MS).

De acordo com a OCB, a publicação é fundamental para divulgar no Congresso Nacional o posicionamento do setor em relação a proposições prioritárias que beneficiam ou não as 6.652 cooperativas brasileiras. Este ano, ela traz algumas novidades: um encarte especial sobre o Ano Internacional das Cooperativas e o acréscimo de projetos de lei de interesse do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop).

Para que os processos aconteçam no Congresso, a OCB conta com o trabalho da Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop), composta hoje por 255 membros, entre deputados e senadores.  Este ano, fazem parte da Agenda 57 proposições e seis posicionamentos que englobam, entre outros temas, a conferência Rio+20, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, terceirização e Ato Cooperativo.

Para a deputada Marília Góes (PDT/AP), o lançamento da agenda mostra organização: “Nós do Amapá estamos lançando nossa agenda junto a essa e isso é sinônimo de organização, da força do nosso Estado e quem ganha com isso é a população, é a sociedade civil organizada. Nós queremos participar de todas as agendas dando apoio e demonstrando que nós parlamentares podemos ajudar e fazer muito pelo cooperativismo do nosso país”.

O deputado amazonense Adjuto Afonso (PP), defende que o cooperativismo precisa crescer para a região Norte: “Precisamos que a região Norte tenha a força das outras localidades para fazer crescer o cooperativismo, pois ele gera empregos, renda e prosperidade. Aqui neste evento, discutimos as políticas das cooperativas e o evento foi muito importante”, afirmou.

“O primeiro ato legislativo do ano serve para aproximar entre as frentes cooperativas e trás para discussão a importância do tema de forma organizada e por isso merece muita atenção”, afirma o deputado Luiz Carlos (PSDB/AP).

A expectativa é positiva para o deputado Luiz Castro (PPS/AM): “Nossa expectativa está positiva neste ano internacional do cooperativismo, de acordo com a ONU. Temos a agenda do Congresso organizada pela OCB e ela mostra os interesses das cooperativas. Somos 14 deputados na frente e queremos desenvolver o cooperativismo no amazonas, principalmente”.

Números

6.652 é o número de cooperativas atuantes em 13 ramos de atividades econômicas

298.182 é o total de empregos diretos gerados pelas cooperativas em 2010

9.016.527 é o total de associados a cooperativas filiadas ao sistema OCB

30 milhões é o total estimado de brasileiros envolvidos no cooperativismo, prática que gera trabalho, renda, qualidade de vida e desenvolvimento com justiça social

US$ 4,4 bilhões é o total das exportações das cooperativas brasileiras em 2010

Fonte: OCB e Organizações Estaduais

Texto: Thayane Carvalho

Compartilhe!