Por Faisal Karam

Deputado Estadual do Estado do Rio Grande do Sul

Na véspera das Olimpíadas de Tóquio, o mundo viveu a expectativa de ver uma das maiores medalhistas do esporte, a americana Simone Biles. Durante a competição, para surpresa de todos, a ginasta teve queda de desempenho e abandonou as provas alegando problemas de saúde mental.

O tema ganhou destaque, mas as questões que afetam como as pessoas conseguem lidar com os sentimentos e ideias vêm sendo discutidas com mais frequência desde que começamos a enfrentar os desafios provocados pela pandemia da Covid-19.

As questões de saúde mental precisam de atenção também nas escolas, neste período vimos professores e alunos superando dificuldades para manter o vínculo necessário para a continuidade do ensino mesmo com a distância. Como presidente da Frente Parlamentar de Psicologia e Serviços Sociais nas Redes Públicas de Educação, da Assembleia Legislativa, buscamos agilizar o atendimento da Lei Federal n° 13.935, de 2019, a qual dispõe de psicólogos e assistentes sociais nas escolas. Na retomada das aulas presenciais, após um longo período de remodelação das atividades escolares, isso se torna ainda mais necessário.

Iniciamos em 2020, enquanto secretário de Educação do RS, o encaminhamento para contratação de 35 profissionais de ambas áreas para atender inicialmente as 30 coordenadorias. Números bastante tímidos, mas capazes de dar início a um trabalho diferenciado junto a rede.

Precisamos, assim como a corajosa Simone Biles, quebrar paradigmas e trazer o tema para as discussões. Não podemos separar a educação da saúde. Pelo contrário, elas se complementam.