Por: Hamilton Carvalho, auditor tributário no Estado de São Paulo, doutor e mestre em Administração pela FEA-USP e ex-diretor da Associação Internacional de Marketing Social.

O sarampo voltou a dar as caras no Brasil, que perdeu há 3 anos o status de país livre do vírus. Até o Estado de São Paulo, a suposta locomotiva, já se vê às voltas com o risco de um surto da doença.

A questão é que as taxas de vacinação vêm em queda nos últimos anos e algo como 3 em cada 10 crianças não têm sido imunizadas, inclusive contra outras doenças, como poliomielite. Triste.

Motivos comumente apontados incluem a percepção de que as doenças desapareceram, o desconhecimento dos imunizantes que integram o calendário nacional de vacinação, o medo de reações (parabéns, antivaxxers) e a falta de tempo.

O problema não é complexo e pode ser enfrentado com gestão e ferramentas de ciência comportamental aplicada.

Considere, por exemplo, a barreira criada pela campanha canalha contra as vacinas infantis. Faz lá seus estragos porque o medo é um poderoso motivador em contextos como esse. Aqui, o principal erro é na forma de rebater as mentiras.

O linguista George Lakoff, referência mundial, recomenda que não se siga a receita tradicional (comum na imprensa), em que 1º se apresenta a notícia falsa para, na sequência, ser apresentada a informação verdadeira. Como nessa chamada no Uol há poucos dias: ‘Vacinas causam autismo’: cuidado com a maior fake news sobre imunização.

A questão é que a primazia dada à fake news pode terminar por reforçá-la na mente das pessoas, mesmo com a correção seguinte.

Em vez disso, Lakoff recomenda o que chama de sanduíche da verdade. A ideia é encapsular a mentira entre duas camadas de informações verdadeiras, retirando-lhe o protagonismo. Assim, para usar o exemplo, o texto ficaria algo como: vacinas são seguras, um charlatão criou uma fraude que até hoje assusta alguns pais, mas a ciência mostra que elas evitam doenças graves nos pequenos.

Mas a barreira da loucura ideológica está longe de ser a única. Permitam-me os leitores continuar o texto com outra referência a sanduíche.

Algumas cadeias de fast food têm se espalhado pelo Brasil não porque os sanduíches são campeões de valor nutricional, mas porque o que oferecem é bastante atrativo do ponto de vista de valor, conveniência e imagem. Chega ao ponto de ser um consumo de símbolos, que são desejáveis e acessíveis na mente do público. Além disso, essas redes têm sabido ouvir e conversar com seus consumidores.

Meu argumento é que se queremos voltar a ter os mesmos índices de vacinação infantil que nos davam orgulho no passado, precisamos pensar com a mentalidade de fast food. Pode parecer herético, mas boa sorte para quem acredita na modorrenta abordagem tradicional, com campanhas de “conscientização” de efeito limitado e horários de repartição pública.

É CIÊNCIA

Os modelos encontrados na literatura de ciência comportamental, como o ADF e o COM-B, ajudam a explicar por que as pessoas adotam alguns comportamentos e não outros, seja a compra frequente de um hambúrguer, a adoção de um hábito saudável ou a ida a um posto de saúde para levar uma agulhada no braço.

ADF é um acrônimo para comportamentos acessíveis (na memória), desejáveis e factíveis. Já o COM-B foca no indivíduo e na sua motivação (o M), suas competências (o C) e as oportunidades (o O) que existem para executar o comportamento (o B, de behavior).

São 2 modelos complementares. Se estou motivado para vacinar meus filhos e entendo os benefícios, isso significa que a ação é desejável. Se estou ciente do calendário vacinal e sei como fazer, fica evidente que o comportamento é acessível. Se há ampla oportunidade, isto é, os postos de saúde funcionam nos finais de semana ou se as equipes vão até onde o público está (por exemplo, nas escolas), significa que a conduta é factível.

Mas esse sanduíche só dá liga quando se adota a perspectiva do público e não, o que é mais comum, a intuição inerentemente autoritária do gestor público. Essa mudança de visão nos leva a perguntar: onde está quem não se vacina? Quais são as barreiras que impedem ou dificultam a imunização? Quais são os benefícios percebidos?.

Além disso, a ciência mostra alguns ingredientes universais que podem temperar o sanduíche comportamental, como motivos evolucionários (medo de doença, proteção da prole ou necessidade de afiliação, por exemplo), as características essenciais da mente humana, que esperneiam por simplificação, e o entendimento dos efeitos que a pobreza traz para o dia a dia, como a falta de espaço mental para lidar com tudo que não é sobrevivência imediata.

Vírus não brincam em serviço. É um desperdício de tudo não usar na arena social as mesmas ferramentas que possibilitam o crescimento nos negócios. McVacinas passa bem a imagem do que precisamos, assim como McDoação de sangue e todos os outros comportamentos de interesse social.

Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/opiniao/o-sarampo-voltou-mcvacinas-nele/)

 

Compartilhe!