Diógenes Campanha e Patrícia Britto

São Paulo – O mau desempenho de apostas dos grandes partidos e a ausência de um terceiro candidato competitivo contribuem para que nove Estados caminhem para definir as eleições para governador já no 1º turno.

São Paulo e Minas Gerais são exemplos desse quadro.

Na eleição paulista, a aposta petista, Alexandre Padilha, segue estacionada abaixo dos 10% nas pesquisas, e Paulo Skaf, do PMDB, em torno de 20%, cenário que favorece a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB), perto dos 50%.

Para definir a eleição na primeira etapa da disputa, um candidato deve ter 50% dos votos válidos (sem brancos e nulos), mais um voto.

“Não sei se o efeito da Copa, o humor da sociedade, a demora para a campanha pegar’ ou a escassez de recursos fez com que a intensidade de campanha do Padilha fosse sofrível no começo”, afirmou Luiz Marinho, coordenador da campanha de Dilma em São Paulo. “Isso atrasou muito o processo de conhecimento dele no Estado.”

Em MG, quem não avançou/pesquisas foi a aposta do PSB, Tarcísio Delgado.

Escalado para dar palanque a Eduardo Campos e agora a Marina Silva, ele segue abaixo dos 10%, sem rivalizar com Pimenta da Veiga (PSDB) e com Fernando Pimentel (PT), favorito para vencer já no próximo dia 5.

Também apresentam cenário parecido Alagoas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Santa Catarina e Tocantins. Neles, candidatos em terceiro lugar não chegam a 13% nas pesquisas.

Em outros nove Estados, os candidatos que lideram estão a poucos pontos de também conseguirem liquidar a disputa na primeira rodada.

São exemplos Paulo Souto (DEM), na Bahia; Eunício Oliveira (PMDB), no Ceará; e Beto Richa (PSDB), no Paraná, onde Gleisi Hoffmann (PT), ex-ministra/governo Dilma, não decolou e está na casa dos 10% nas pesquisas.

Pelo cenário atual, 9 candidatos/PT, 7/PSB e 5/PSDB não devem ir ao 2º turno.

Alguns desses nomes foram lançados na última hora, como Roberto Carlos (PT), no Espírito Santo, e Eliane Novais (PSB), no Ceará. “Foram candidaturas sem antecedência necessária para preparação na pré-campanha”, diz Carlos Siqueira, primeiro-secretário nacional do PSB.

Em Alagoas, o PSDB, que governa o Estado, indicou o vereador Julio Cezar para substituir o procurador Eduardo Tavares, que desistiu em plena campanha. O candidato tucano aparece com 1% das preferências.

Os problemas apontados p/legendas vão desde a baixa arrecadação até a morte/Eduardo Campos/acidente aéreo. “Todos ficaram atônitos durante certo período, tempo precioso p/explorar fazendo campanha, e ficamos tentando entender/mudanças”, disse Mendes Thame, secretário-geral do PSDB.

Publicado na Folha de São Paulo em 26/09/14

Compartilhe!