Empresas privadas estão pressionando as prefeituras do Paraná para assumirem a administração das redes de energia elétrica, atualmente sob os cuidados da Copel. O interesse das empresas é terceirizar os serviços de manutenção do sistema de iluminação pública e substituição de cabos, postes e acessórios.

Empresas privadas estão pressionando as prefeituras do Paraná para assumirem a administração das redes de energia elétrica, atualmente sob os cuidados da Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel). Por trás da manobra, o interesse das empresas em terceirizar os serviços de manutenção do sistema de iluminação pública e substituição de cabos, postes e acessórios.

A denúncia é do deputado federal João Arruda (PMDB-PR), ao participar na manhã desta terça-feira (31), da reunião da Associação dos Municípios do Paraná (AMP), com prefeitos e coordenadores das associações microrregionais. “Fui procurado por vários prefeitos do interior, que denunciaram estas empresas supostamente ligadas a grupos políticos”, informou.

João Arruda participou do encontro a convite do presidente da AMP, Gabriel Samaha, o Gabão. O deputado pediu apoio da entidade para intervir, junto ao Governo do Estado e à Copel, no sentido de acatar a orientação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em adiar para 1º de julho de 2013, a transferência aos municípios da administração das redes de distribuição de energia elétrica.

Na última semana, o deputado denunciou a energética paranaense por desobediência ao novo prazo estipulado pela Aneel. A Copel está notificando os prefeitos para assumirem a despesa, com base na resolução 414/2010. A normativa, prevista para entrar em vigor em outubro de 2011, vai aumentar em mais de 30% as despesas das prefeituras.

Em relação à nova denúncia, João Arruda informou que buscará mais subsídios para comunicar o caso ao Ministério Público. O deputado já notificou a Aneel e o Ministério das Minas e Energia, sobre o procedimento da Copel. Ele também cobrou explicações do presidente da Copel, Lindolfo Zimmer, mas até o momento não teve resposta.

Durante o encontro na AMP, em Curitiba, o presidente Gabão assumiu um compromisso com os prefeitos para realizar uma agenda com a Copel e o Governo do Estado, para adiar a transferência da administração das redes de energia elétrica aos municípios. “Vamos buscar, nos próximos dias, o diálogo até que se tome uma decisão definitiva sobre este assunto”, disse Gabão.

“A Copel é pública e tem que servir ao povo. Ser parceira dos municípios é também uma forma de servir ao povo”, destacou João Arruda. O deputado lembrou que nos últimos anos a companhia tem garantido grandes margens de lucros. “Em 2010 o superávit foi superior a R$ 1 bilhão. Acredito que este montante em 2011, foi maior ainda, uma vez que houve reajuste da tarifa”, informou.

Compartilhe!