mosconi_13_06Em busca de conseguir mais apoio para as Santas Casas, o presidente da Frente Parlamentar de Apoio às Santas Casas, Hospitais e Entidades Filantrópicas na área da Saúde da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Carlos Mosconi (PSDB), e o gerente-geral da Federassantas, Gustavo Macena, participaram de uma reunião no Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG). O encontro ocorreu nessa segunda-feira (11/06).

Eles solicitaram ao BDMG uma linha de financiamento com juros baixos e com maior prazo de pagamento para as entidades mineiras filantrópicas da área da saúde. Segundo Mosconi, a intenção é renegociar a dívida dessas instituições. “Sabemos da grande dificuldade por que vem passando os hospitais filantrópicos de Minas. A baixa remuneração dos serviços prestados ao SUS e os altos juros cobrados pelo mercado são os principais fatores dos problemas financeiros. Os bancos precisam criar linhas de crédito que ajudem essas entidades a sair da crise”, disse Mosconi.

A proposta é uma linha de financiamento que possua juros de até 10%, com um prazo mínimo de 10 anos. O presidente do banco, Matheus Cotta, informou que sua equipe vai entrar em contato com o BNDES para verificar as garantias da operação e a possibilidade de ajudar as entidades mineiras filantrópicas da área da saúde. Em março, o BNDES assinou com o Ministério da Saúde uma linha de crédito nos mesmos moldes da que foi proposta ao BDMG. Mas, até o momento, ela não foi implementada.

De acordo com a Federassantas, a dívida dessas entidades no Estado chega a R$ 500 milhões. Atualmente, são 350 instituições filantrópicas em Minas, sendo que 30% delas estão endividadas. Desse total, 50 hospitais filantrópicos mineiros possuem dívidas que variam entre R$500 mil e R$5 milhões.

Texto: Janaina Massote – Assessora de Imprensa do dep. Carlos Mosconi (PSDB)

Gabinete Parlamentar em Belo Horizonte

Compartilhe!