FELIPE BÄCHTOLD

PORTO ALEGRE – A eleição para governador em Mato Grosso do Sul é proporcionalmente a mais cara do país, de acordo com dados da prestação de contas dos candidatos divulgados pelo TSE no último fim de semana.

Em média, os candidatos ao governo estão gastando R$ 17 por voto no Estado, considerando os gastos das campanhas e o eleitorado local.

Devido às elevadas despesas de três candidatos – Delcídio Amaral (PT), Reinaldo Azambuja (PSDB) e Nelson Trad (PMDB) – o gasto em MS já soma R$ 31 milhões e supera grandes colégios no país, como Rio e Minas.

Também estão no topo do ranking do “custo do voto” dois dos Estados com menor população do país – Roraima e Tocantins, com R$ 15,37 e R$ 8,63, respectivamente.

Na outra ponta está o Acre, com custo médio de R$ 0,71 por eleitor. O voto em Mato Grosso do Sul, por exemplo, “custa” 24 vezes  mais do que no Acre.

O segundo Estado com despesas proporcionalmente menores é o Rio Grande do Sul, com R$ 0,74. O cálculo do blog computa apenas as despesas feitas pelas candidaturas, excluindo gastos de comitês e das direções partidárias.

Publicado na Folha de São Paulo em 09/09/14

Compartilhe!