Pesquisa revela dados sobre os impactos da crise pandêmica na juventude brasileira

Tratar do futuro e, em especial, do papel do jovem no futuro diante de um momento de completa incerteza, a nível mundial, quando o vírus da covid-19 que, além de parar as atividades em quase todos os segmentos da população, tem disseminado temor e insegurança sobre como será o amanhã, em consequência por levar à morte milhares de pessoas, no início, em sua grande maioria idosos, e agora os jovens, é um grande desafio.

Talvez, neste cenário, o maior desafio é garantir que haja um futuro no qual os jovens tenham importante atuação para o progresso e desenvolvimento econômico e social do País, seja no campo político, seja no campo sanitário, seja no campo educacional, entre outros de extrema relevância para todos.

Que a juventude é o futuro da nação não existe dúvida, mas o que, quando e como agir para garantir que este futuro exista, é o eixo norteador deste trabalho intitulado: Juventudes e a Pandemia do Coronavírus. Nele é possível verificar os dados de uma pesquisa realizada com mais de 68 mil jovens brasileiros sobre os impactos da pandemia em suas vidas e na sociedade.

O Atlas das Juventudes, produzido pelo Conselho Nacional de Juventude e parceiros, que está em sua 2ª edição, tendo a primeira sido realizada em junho de 2020, traz um rico material de um conjunto de dados e evidências com base na escuta de quase milhares de todo o Brasil.

Produzir novas evidências a partir da percepção de jovens de diferentes regiões e realidades sociais sobre os efeitos da pandemia em suas vidas e na sociedade, para subsidiar políticas e programas para as juventudes, alem de fortalecer e consolidar um processo de articulação, criando mecanismos para ampliar as vozes de jovens e seus anseios, são os principais objetivos do trabalho realizado.

O presidente da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer da Unale, deputado Dirceu Ten Caten (PT-PA), destacou que incentivar os jovens é uma das bandeiras que a Unale promove por todos os estados, para que a efetivação de políticas públicas aconteça para a população jovem no Brasil e no mundo. Para ele, “dialogar com a sociedade e contar com iniciativa legislativa do Parlamento Estadual é fundamental para a expansão de diversos projetos de inclusão jovem”.

Marcus Barão, presidente do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), ressalta que o jovem não é só o futuro do país, mas também o presente. “Precisamos abrir uma janela de oportunidades urgente, com os investimentos certos e na hora certa. Assim, poderemos garantir um Brasil muito diferente do cenário que vivemos hoje em relação à juventude ativa e reduzir a desigualdade nas diversas esferas da sociedade”, disse.

Veja a pesquisa completa: Clique neste link ou no título abaixo

Juventudes e a Pandemia do Coronavírus