Por: Rangel Barbosa, sócio e vice-presidente de Produtos da Kroton Educacional, uma das maiores organizações educacionais privadas do Brasil e do mundo.

É cada vez maior a importância do ensino técnico para o início da profissionalização de jovens brasileiros. Estudo realizado a partir da mais recente Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra que o ensino técnico abre mais portas de trabalho do que o ensino médio completo ou o ensino superior incompleto.

O estudo “Indicadores de qualidade do egresso do ensino técnico e profissionalizante” avaliou diversos critérios e concluiu que quem cursa o ensino técnico tem como vantagem adquirir uma competência que permite um ingresso rápido no mercado de trabalho e com melhor qualidade.

O número de brasileiros matriculados na educação profissional e técnica representa só 8% dos estudantes atualmente, índice que é de 46% na União Europeia e 40% nos países que integram a OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico). A disparidade é grande, mas a meta 11 do PNE (Plano Nacional de Educação) estipula triplicar a quantidade das matrículas até 2024, considerando 50% dessa amplificação no ensino público.

A boa notícia é que a expansão do ensino técnico de qualidade poderá ganhar mais fôlego e ser ainda mais rápida. A oferta pelas IES (Instituições de Ensino Superior), recentemente chancelada pelo Ministério da Educação, trará mais recursos para a força de trabalho que hoje é subaproveitada.

De acordo com o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o número de jovens que não estudam nem trabalham já passa dos 11 milhões, entre os 48,5 milhões de 15 a 29 anos. O ensino técnico tem o potencial de aumentar as matrículas na educação profissional e tecnológica em até 80%, passando dos atuais 1,9 milhão para 3,4 milhões. Com isso, possibilitar trazer uma parcela dos chamados “nem-nem” para o ensino formal e para o mercado de trabalho. A empregabilidade desses jovens torna-se uma conquista tanto para familiares quanto para a transformação socioeconômica de pequenas cidades com escassez de mão de obra qualificada.

A Setec/MEC (Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação) está em processo de atualizar a Portaria 1.718/2019, que “dispõe sobre a oferta de cursos de educação profissional técnica de nível médio por Ipes – Instituições Privadas de Ensino Superior”. No entanto, uma medida que permitiria acelerar o aumento de cursos técnicos seria a alteração da alínea a, do inciso 3 do art. 4. Nela, o pré-requisito para que as IES possam abrir cursos é ter a nota igual ou superior a 4, do CPC (Conceito Preliminar de Curso) ou CC (Conceito de Curso).

Essa nota pode ser um limitador para que mais jovens consigam ter uma capacitação profissional, principalmente porque o MEC já considera qualquer curso com CPC ou CC superior a 3 como satisfatório. Se o MEC atualizasse a portaria com redução do requerimento, centenas de cursos técnicos poderiam ser abertos ainda em 2022. Para conter a quantidade excessiva de cursos, bastaria estabelecer um limite de cursos por cada IES, evitando a sobrecarga da Setec e permitindo o devido controle, também fazendo com que as IES tivessem cuidado com os cursos a serem protocolados.

Aumentar a oferta de profissionais qualificados promove uma economia mais forte, equilibra a oferta de emprego e o preenchimento de vagas. São vários os setores econômicos que sofrem hoje e que poderiam ser beneficiados com a expansão do ensino técnico no curto prazo. A área da saúde, por exemplo, carece desses profissionais, que atualmente são maioria dentro de hospitais e ambulatórios se comparado ao número de graduados. Mesmo em maior número, a quantidade de técnicos hoje não é suficiente para suprir a atual demanda.

O ensino técnico promove ainda um círculo virtuoso para a educação continuada. A maior oferta atua como uma porta para o jovem sair do desemprego e como trampolim para acelerar o aprimoramento de carreira. No mesmo estudo aplicado pelo Insper, que citei no começo deste artigo, 34,5% dos alunos, entre 18 e 29 anos, que fizeram o ensino técnico estão matriculados no ensino superior. A taxa é de 27,4% entre aqueles que cursaram o nível médio.

Novos caminhos estão sendo trilhados, favorecendo a ampliação do ensino técnico para todos os cantos do país. Nesta nova fase de avanços, a tecnologia se mantém como recurso essencial para conseguirmos levar a muitos a transformação que hoje é acessível a poucos​.

Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/opiniao/ensino-tecnico-pode-impulsionar-desenvolvimento-do-brasil/)

Compartilhe!