whatsapp-image-2019-12-02-at-16-36-30Instituído há 31 anos pela Organização das Nações Unidas (ONU), foi comemorado, em 1° de dezembro, o dia mundial de luta conta a AIDS e com o intuito de informar a população da importância sobre a prevenção e o tratamento do vírus HIV, a Unale promove, mais uma vez, a campanha do Dezembro Vermelho, com o slogan: “Prevenir é vida, prevenir é respeito e prevenir é amor”.

O objetivo da entidade é disseminar, em parceria com as Assembleias Legislativas, informações importantes para auxiliar a prevenção e o combate do vírus HIV e a AIDS.

Dados do Ministério da Saúde (MS), estimam que aproximadamente 982.129 casos de AIDS foram detectados no Brasil, desde o ano 1980 a junho de 2018, sendo 24% jovens de 15 a 24 anos.
Fique por dentro:

Transmissão
A AIDS pode ser transmitida através de relações sexuais sem preservativo (camisinha), uso de seringa por mais de uma pessoa, transfusões de sangue contaminado ou compartilhamento de seringas e agulhas.
Vale ressaltar que: beijos, uso dos mesmos talheres que uma pessoa infectada, apertos de mão, abraços ou contatos de pele com pessoa portadora de HIV são ações que não transmitem a doença!

Qual a diferença entre Aids e HIV?
É importante lembrar que a pessoa que tem HIV não necessariamente tem Aids, entenda as diferenças:
HIV é o vírus causador da doença aids, que ataca o sistema imunológico e afeta a capacidade de o organismo se defender. O vírus altera o DNA das células de defesa, faz cópias de si mesmo e se multiplica no organismo, atacando ainda mais o sistema imunológico e continuando a infecção pelo corpo.

Por outro lado, a Aids é a manifestação do vírus HIV. É possível, portanto, que a pessoa tenha o vírus, mas não desenvolva a doença. Portanto, pode ser HIV positivo/soropositivo, mas não ser aidético, inclusive, vale ressaltar que há pacientes soropositivos que passam anos sem ter os sintomas e sem desenvolver a doença.

Como detectar o vírus?
O diagnóstico do HIV é feito por meio de testes, oferecidos gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS), além de oferecer também o teste da sífilis e das hepatites B e C. Os testes são feitos de forma rápida e prática e podem ser realizados em qualquer unidade saúde, por meio da coleta de uma gota de sangue ou com fluido oral. O resultado sai em tempo máximo de 30 minutos.
Lembrando que o teste só pode ser feito no mínimo 30 dias após a relação, pois é o tempo que o vírus começa a agir. Caso o resultado seja positivo, o paciente já é encaminhado para o tratamento específico. No entanto, o paciente deve realizar dois testes rápidos com resultados positivos, para, posteriormente, ser encaminhado para o local correto de tratamento, no caso da sífilis e hepatites, como regra geral, é preciso fazer um exame confirmatório.

Ressalta-se que em 2018, o SUS distribuiu mais de 13,8 milhões de testes rápidos em todo o país, além dos mesmos estarem disponíveis o ano inteiro na rede de saúde também preservativos e outras formas de prevenção da doença.

Tratamento
A doença não tem cura, mas pode ser tratada com coquetéis antiaids quando diagnosticada a tempo, melhorando assim a qualidade de vida do infectado.
A forma mais eficaz de prevenir esta doença, como todas as outras doenças sexualmente transmissíveis, é o uso dos preservativos.

Yago Fernandes/ Ascom Unale
Compartilhe!