Por Armando Araújo

Engenheiro eletricista pela UFRJ

O mundo vive um grande dilema no enfrentamento do aquecimento do clima. Depois de décadas de negações sobre a existência do problema, e do relatório específico das Nações Unidas, parece que hoje existe maioria da população convencida de que existe risco real à sobrevivência humana e que todos os países devem adotar medidas para eliminar as emissões de gases causadores desse aquecimento.

As análises técnicas demonstram que essas emissões provêm de várias fontes, sendo, no entanto, a queima de combustíveis fósseis a maior delas. Nesse campo, identifica-se como maiores produtores desses gases o transporte por motores a combustível fóssil e a geração de eletricidade a carvão, gás natural e óleos combustíveis.

Por isso, vários países têm desenvolvido programas para progressivamente desativar suas usinas a combustível fóssil e implantar novas usinas que não produzam emissões. Dessa forma, os parques deveriam se concentrar em usinas hidrelétricas, nucleares, solares (fotovoltaicas e térmicas), eólicas, e combustível neutro (biocombustível ou usando captura de carbono). Como sempre, a estrada mostra dificuldades. Recentemente uma dificuldade veio do setor nuclear.

A EDF (Electricité de France) acaba de anunciar que tem problemas de corrosão em tubulações de suas usinas nucleares. Foram detectados tubos rachados nos sistemas de injeção de segurança de vários reatores. Até o final da 4ª feira (20.abr.2022), só 30 reatores dos 56 estavam operando normalmente. A EDF informou em comunicado que as inspeções já detectaram rachaduras em 5 reatores do 2º semestre de 2021 até o início de 2022, sendo 2 em Civaux (no Oeste da França), 2 em Chooz (no Nordeste) e 1 em Penly (no Norte).

Em 14 de abril, a EDF publicou em seu site uma atualização sobre a situação informando que problemas foram detectados durante a realização de testes não destrutivos por ultrassom em porções de tubulação dos reatores Chinon B3, Cattenom 3 e Flamanville 2. E que as investigações continuam para caracterizar sua natureza e origem.

 

Além disso, por ocasião da 3ª inspeção decenal do reator nº 1 da usina Golfech, ora em curso, foram realizadas as verificações periódicas programadas no circuito RIS e certas indicações foram detectadas. Checagens aprofundadas de peritos serão realizadas para caracterizar essas indicações.

A nota da EDF informa também que o programa de inspeção prossegue em todo o parque nuclear, utilizando as lições aprendidas com as inspeções já realizadas. As verificações serão realizadas nas paradas já programadas para manutenção e reabastecimento em 2022, 2023 e 2024.

O fenômeno da corrosão –conhecido como “corrosão sob tensão”– tem sido motivo de preocupação na indústria há vários meses, pois causa rachaduras nas tubulações dos reatores, principalmente no sistema de injeção de segurança. Esse é um importante sistema de backup das usinas nucleares, projetado para resfriar o circuito primário injetando água borada nele em caso de acidente.

A EDF informa finalmente que intercâmbios técnicos estão em andamento com a Autoridade de Segurança Nuclear desde a detecção do fenômeno no reator nº 1 em Civaux. Estas trocas dizem respeito, em particular, à estratégia global de controles, avaliações de especialistas e o tratamento deste fenômeno de corrosão sob tensão.

 

Essas notícias trazem preocupação, principalmente pela forte reação que o setor nuclear enfrenta por causa dos acidentes ocorridos no passado. Também recentemente uma 2ª dificuldade veio com o forte aumento de preços e limitação de suprimento de petróleo e gás natural da Rússia como consequência da invasão da Ucrânia.

Embora essa ocorrência possa até trazer incentivos para investimentos em fontes renováveis de energia como substituição desses combustíveis fósseis originários da Rússia, o efeito de curto prazo tem sido negativo, pois obrigou alguns países a voltar ao uso de carvão. Também no médio (e talvez no longo) prazo poderemos ter efeitos negativos para o uso de energia sem emissões. Isso porque, com a guerra, alguns países modificarão suas estratégias de investimento preocupados com a segurança do suprimento de energia, talvez mantendo fontes endógenas mesmo que emissoras de carbono.

Em conclusão, teremos mais desafios exigindo persistência e perseverança para atingirmos o objetivo de redução rápida das emissões de gases causadores do aquecimento global.

Compartilhe!