Ontem, Terça (05), a pedido do líder da oposição, Elio Rusch (DEM), o plenário aprovou por vinte votos a doze o adiamento da votação do projeto que institui uma política estadual para a economia solidária. A mensagem havia sido aprovada sem maiores discussões no primeiro turno. Rusch alegou que o projeto não pode ser aprovado antes de uma análise da equipe de Beto.

“Esse projeto não será implantado pelo atual governo. Diz respeito a política administrativa e por isso é preciso que seja analisado pela equipe de transição do novo governador, o Beto Richa. Não tem por que a Assembleia atropelar esse processo”, defendeu o líder da oposição.

O líder do governo, deputado Caito Quintana (PMDB) e Tadeu Veneri (PT) contestaram o argumento. “O governo Pessuti ainda não terminou”, protestou Quintana, lembrando que o projeto foi aprovado em primeira discussão antes das eleições. Veneri lembrou que a proposta foi apresentada por ele há cinco anos e que, no ano passado, foi aprovada como indicação legislativa com o apoio da oposição.

O deputado Valdir Rossoni (PSDB) justificou a necessidade de uma análise pela equipe do novo governador. “Por prevenção, queremos adiar a mensagem. Estamos criando um fundo abrangente e é preciso saber se terá recursos suficientes para gerir esse programa”, declarou.

Fonte: Assembléia Estadual do Paraná

Compartilhe!