A União Nacional dos Legislativos Estaduais (Unale) vai defender no Supremo Tribunal Federal (STF) a legalidade do pagamento de horas extras para deputados estaduais por participação em reuniões extraordinárias. Se obtiver sucesso, cobrará o ressarcimento correspondente ao período em que deputados de Goiás e Minas Gerais deixarem de receber a verba.

 

A União Nacional dos Legislativos Estaduais (Unale) vai defender no Supremo Tribunal Federal (STF) a legalidade do pagamento de horas extras para deputados estaduais por participação em reuniões extraordinárias. Se obtiver sucesso, cobrará o ressarcimento correspondente ao período em que deputados de Goiás e Minas Gerais deixarem de receber a verba. Nos dois estados o benefício foi suspenso por causa de uma ação direta de inconstitucionalidade (Adin) ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) contestando a remuneração na Assembleia de Goiás.

Em reclamação semelhante no Pará, em que foi contestada também a remuneração referente a convocação feita pelo Executivo no período de férias, o STF já se posicionou contrário ao jeton. Na terça-feira, a Mesa Diretora da Assembleia de Minas Gerais decidiu suspender o benefício enquanto espera o resultado do julgamento pelo Supremo. Em Goiás, desde fevereiro os deputados não recebem a verba. De acordo com o presidente da Unale e segundo-secretário do Legislativo mineiro, deputado Alencar da Silveira Junior (PDT), o departamento jurídico da instituição vai assessorar os goianos em sua defesa.

Saiba mais…

Depois de corte de verba, sessões ficam vazias na Assembleia de Minas Maioria dos deputados mineiros queria manter verba por sessões extraordinárias Suspensão de verba gera economia de R$ 27 milhões em Minas Deputados mineiros têm muito mais beneficios além da hora extra

“A Unale vai defender o direito dos deputados de receberem o extra. Se está dentro da lei, têm o direito. Se há reuniões extraordinárias, é porque tem trabalho”, argumentou o parlamentar mineiro. Segundo ele, apenas as assembleias de cinco estados ainda pagam o jeton (Minas, Pará, Acre, Pernambuco e Goiás) porque são as únicas que realizam reuniões fora do horário de trabalho. “E não dá para você comparar um estado como Minas Gerais com outros, pois o número de projetos para discutir e de deputados é muito maior”, justificou. Este ano já foram realizadas nove extraordinárias em Minas. Somente elas serão remuneradas.

A decisão da Mesa de suspender o jeton de R$ 1.002,12 pago por participação em reuniões marcadas pela manhã ou à noite dividiu a opinião dos deputados presentes no plenário na tarde dessa quarta-feira. Alguns reclamaram que o presidente da Casa, Dinis Pinheiro (PSDB), deveria ter ouvido a opinião dos colegas antes de decidir. “Não concordei, porque há 20 anos eu recebo a verba. Ele (Dinis) teria que ter ouvido os deputados. Foi uma decisão de gabinete para agradar a imprensa”, reclamou Antonio Júlio (PMDB).

Sargento Rodrigues (PDT) acusou a Mesa de ter um “comportamento covarde” e jogou a culpa na imprensa – citando nominalmente o Estado de Minas, que nos últimos dias publicou várias matérias sobre o assunto. Ele ainda apresentou um requerimento – com 43 assinaturas – para que seja realizada uma audiência pública com representantes do Executivo, Judiciário, Ministério Público e Tribunal de Contas para debater a remuneração em todos os poderes.

Diante de um clima nada amistoso no plenário, o terceiro-secretário Jayro Lessa (DEM), que nessa quarta presidiu a sessão, afirmou que não está previsto no regimento uma consulta aos parlamentares. Mas, caso o Supremo entenda que a verba é inconstitucional, sua extinção terá que passar pelo plenário por meio de um projeto de resolução. A discussão para suspender o jeton começou na segunda-feira, quando Dinis Pinheiro consultou a opinião de alguns parlamentares – por telefone ou pessoalmente –, especialmente os mais “antigos” de Casa.

A deputada Luzia Ferreira (PPS) – que presidiu a Câmara Municipal de Belo Horizonte até janeiro, por exemplo, não foi consultada. A parlamentar não se considerou “desprestigiada”. “Foi uma decisão prudente e necessária. Há um questionamento legal hoje no STF. Elegemos uma Mesa Diretora para comandar a Casa e tomar as medidas que às vezes podem parecer difíceis”, disse. 

Compartilhe!