Continuando com o ciclo de painéis do Seminário Nacional de Legisladoras, na tarde desta terça-feira (05), foi realizada uma palestra onde deputadas de diferentes estados apresentaram cases de boas práticas de políticas públicas para mulheres.

A procuradora da Mulher do Maranhão e deputada estadual, Daniella (MA), iniciou o debate agradecendo a todos sobre a realização do Seminário de Mulheres. “Neste evento temos a oportunidade de compartilhar o conhecimento entre o Maranhão e os outros Estados, entre as deputadas e vocês que estão na ponta e vivenciam a realidade de todas nós mulheres todos os dias “.

Ela destacou também a importância do projeto Aluguel Social Maria da Penha. “Quantas mulheres não vivem relacionamentos falidos, são vítimas todos os dias de violência, mas que infelizmente não tem sequer para onde ir e foi pensando nisso que foi criado esse aluguel para dar uma sustentação econômica e uma moradia a vítima. Este projeto é um sonho que se tornou realidade”.

Este projeto é um dos instrumentos postos à disposição da mulher para guardar a vida de mulheres vítimas de violência doméstica. Corresponde à concessão mensal do valor de R$ 600,00 (seiscentos) reais, por um período de 12 (doze) meses, independente do prazo estipulado na medida protetiva judicial.

“Ao longo do meu mandato tive que viver diversas situações para entender a dor que muitas mulheres no Maranhão e Brasil afora passam todos os dias, muitas vezes faltando suporte para essas mulheres e por isso estamos desenvolvendo políticas públicas que amparem estas vítimas”, acrescentou.

Dando continuidade ao debate, a deputada estadual, Tia Ju (RJ), comentou sobre o selo “Empresa Amiga da Mulher”, que tem o objetivo de incluir mulheres vítimas de violência doméstica e familiar no mercado de trabalho e estimular empresas a contratarem essas profissionais.

“As mulheres muita das vezes saem para trabalhar angustiadas, apenas para não passar fome, porém o ambiente de trabalho em que ela está inserida é muito ruim, péssimo para a saúde mental, então esta empresa que receber o selo terá que garantir a integridade física e mental durante a jornada de trabalho”.

Para finalizar, a deputada estadual, Edna Auzier (AP), comentou sobre as boas práticas aplicadas no Estado do Amapá para amparar as mulheres que sofrem algum tipo de violência, seja ela física, verbal, mental ou moral. “Temos a sala de procuradoria da mulher no Amapá, com atendimentos, psicólogo, assistente social e jurídico, além da van toda envelopada para dar todo o amparo necessário para mulheres. O nosso desafio agora é conseguir instalar em todos os municípios de nosso Estado”.

Por Danilo Gonzaga/Ascom Unale

Compartilhe!