A Assembleia Legislativa de Roraima analisa o Projeto de Lei (PL) 010/2021, de autoria da deputada Yonny Pedroso (SD), que institui no calendário oficial do Estado a campanha “Fevereiro Roxo”, mês de luta e conscientização sobre o lúpus, Alzheimer e a fibromialgia, três doenças crônicas e incuráveis.

Para a parlamentar, a campanha é fundamental para alertar a sociedade sobre o diagnóstico precoce e o acolhimento adequado aos pacientes que convivem com essas doenças, cujos sintomas podem ser controlados ou até mesmo amenizados quando diagnosticadas no estágio inicial.

“É importante a gente conscientizar a população de que as pessoas acometidas precisam dessa ajuda e apoio do poder público para ter uma melhor qualidade de vida. Com conscientização sobre o tratamento precoce, conseguimos fazer com que mais pacientes não sintam tanto os efeitos das doenças “, avalia a parlamentar.

Lúpus

Trata-se de uma doença inflamatória autoimune que pode afetar vários órgãos e tecidos, como pele, rins, cérebro e articulações, se manifestando de três maneiras diferentes: o lúpus sistêmico, tipo mais comum e que pode comprometer o organismo com uma inflamação; o neonatal, que acomete filhos recém-nascidos de mulheres diagnosticadas com a enfermidade e o lúpus discoide, que atinge a pele dos pacientes, que apresentam lesões avermelhadas, principalmente no rosto, nuca e couro cabeludo.

Uma das pacientes que convivem com a doença em Roraima é Hildilene da Silva, de 34 anos, que começou a sentir os sintomas desde 2010, no pós-parto da filha, como dores vasculares e musculares, mas só foi diagnosticada um ano depois. Ela enfrenta um tratamento pesado, com vários remédios tomados diariamente. Hoje, como presidente da Associação de Pessoas com Lúpus em Roraima, ressalta a luta dos pacientes no Estado para ter um tratamento adequado.

“Para quem tem essa doença, são muitas as dificuldades na rede pública de saúde. As medicações são de alto custo e, apesar de serem fornecidas pelo SUS [Sistema Único de Saúde], nem sempre estão disponíveis, então precisamos sempre dar um jeitinho para comprar os medicamentos e ter acesso para a marcação de consultas”, reclama Hildilene.

Para ela, a campanha ajuda não só a reforçar a importância do tratamento, mas a mostrar que quem convive com a doença pode ter uma vida saudável, desde que conte com o apoio da família e de profissionais qualificados.

“É muito importante para o paciente com lúpus que a família tenha conhecimento do tratamento e dos sintomas. Então, a campanha ajuda a ter um olhar a mais das autoridades e da população sobre as pessoas que vivem com a doença”, complementa a presidente.

Além da proposta que tramita na Assembleia Legislativa para oficializar a campanha Fevereiro Roxo, o Estado já conta com a Lei 1282/2018 (http://sapl.al.rr.leg.br/media/sapl/public/normajuridica/2018/655/lei_no_1282_de_04_de_setembro_de_2018.pdf), de autoria da deputada Lenir Rodrigues (Cidadania), que inclui no calendário oficial de Roraima o Dia Estadual de Conscientização e Atenção aos Pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES).

Alzheimer

A campanha também chama a atenção para o Alzheimer, que é um transtorno degenerativo que atinge o cérebro de forma progressiva, deteriorando aos poucos a memória e a capacidade cognitiva do paciente. Com o avanço da doença, o paciente vai perdendo a capacidade de realizar atividades cotidianas. Idosos a partir de 70 anos são os mais acometidos pelo transtorno.

A perda de memória recente normalmente é o primeiro sintoma para diagnosticar a doença, mas, se não identificada no estágio inicial, outros sintomas aparecem, como perder a memória mais antiga, irritabilidade, falhas na linguagem e prejuízo da coordenação motora.

O neurologista Felipe Queiroz reforça a importância do diagnóstico precoce e do tratamento adequado para uma doença que não tem cura, mas ele também aponta comportamentos que podemos adotar hoje para diminuir os efeitos do Alzheimer no nosso organismo.

“É difícil afirmar quais são os fatores que desencadeiam esta doença, mas sabemos que alguns hábitos da vida da gente influenciam para que ela seja mais branda, como manter atividade física regular, não fumar, evitar consumo excessivo de bebida alcoólica”, disse o médico.

 

Fibromialgia

A terceira doença alertada pelo Fevereiro Roxo é a fibromialgia, que é identificada principalmente por dores musculares crônicas, mas sem sinais de inflamação nos locais das dores. Além de sentir a dor, o paciente pode apresentar cansaço, ansiedade, distúrbios de humor, depressão, dificuldade de concentração e alterações de memória.

A fibromialgia pode aparecer em pacientes que apresentam outras doenças reumáticas, como artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico, dificultando a melhora dos pacientes.

A tramitação do PL 010/2021 pode ser acompanhada pelo link sapl.al.rr.leg.br/media/sapl/public/materialegislativa/2021/112/projeto_de_lei_no_010_2021_-yonny_pedroso.pdf.

Fonte: ALERR
Compartilhe!