Search
Close this search box.

A Assembleia Legislativa aprovou em primeira discussão, nesta última segunda-feira (9), o projeto do deputado deputado Caíto Quintana, líder do PMDB na Assembleia Legislativa, que classifica a visão monocular como deficiência visual no Paraná. A Assembleia Legislativa aprovou em primeira discussão, nesta última segunda-feira (9), o projeto do deputado deputado Caíto Quintana, líder do PMDB na Assembleia Legislativa, que classifica a visão monocular como deficiência visual no Paraná.

A proposta, reapresentada no início do ano, busca amparar as pessoas que apresentam problema de cegueira em um olho, mas por não estarem enquadradas dentro de legislação específica, ficam à margem das políticas públicas de apoio aos portadores de deficiência visual. “Tinha que existir um caminho para atender essas pessoas e também para que se corrija distorções sociais no que se refere aos direitos trabalhistas”, diz Caíto Quintana, autor do projeto

A visão monocular, segundo Caíto, dificulta a compreensão das noções de profundidade e distância causando limitações físicas, psicológicas, psicossociais, educacionais e laborativas, além de discriminação social aos usuários de próteses oculares.

“Tinha que existir um caminho para atender essas pessoas e também para que se corrija distorções sociais no que se refere aos direitos trabalhistas”, destacou o deputado. “Hoje os deficientes monoculares tem tratamento diferenciado que beira a discriminação”, completou.

O projeto, segundo Caíto, atende reivindicação encaminhada pela Associação Brasileira dos Deficientes com Visão Monocular (ABDVM). A intenção é promover tratamento isonômico com as demais deficiências, além de proporcionar uma melhor qualidade de vida às pessoas com visão monocular no Paraná.

“A ideia é promover tratamento isonômico com os demais tipos de deficiências e para isto contamos com o apoio de todos os parlamentares para que este projeto tão importante seja aprovado”, finaliza Caíto.

A proposta será votada em segunda discussão na terça, 10. Caso não haja apresentação de emendas, segue para sanção do governador Beto Richa (PSDB).

Compartilhe!