Sebastião Santos é deputado estadual pelo Republicanos (SP)

É preciso ter muita cautela, sabedoria e resguardo com os últimos acontecimentos na área da saúde. Essa manifestação do “coronavírus” se tornou uma grande catástrofe mundial, deixando centenas de pessoas à beira do abismo humano. Nunca na história presenciamos tal acontecimento que mexesse na vida das pessoas, na rotina diária e espiritual. Não sabemos o dia de amanhã, mas acreditamos que dias melhores virão. Na política, a incerteza é grande, mas trabalhamos para que os órgãos públicos caminhem lado a lado contra esse vírus avassalador. Temos que ter a consciência de seguir passo a passo o que nos é orientado. Trabalhamos duramente para trazer e levar melhorias a quem quer que seja, e esteja necessitando de auxilio. E por isso, é mais importante se previr contra essa praga que chegou e se alastrou. O coronavírus tem causado nas pessoas infecções respiratórias, coriza, tosse, dor de garganta, dor de cabeça e febre. Sua descoberta ocorreu no dia 31 de dezembro de 2019, após casos registrados na China, com o nome de doença COVID-19. Os coronavírus mais comuns que infectam humanos são o alpha coronavírus 229E e NL63 e beta coronavírus OC43, HKU1.

Previnam-se lavando as mãos com água e sabão ou use álcool em gel, cubra o nariz e boca ao espirrar ou tossir. Evitem estarem em locais de grande aglomeração e mantenha os ambientes de sua casa ou trabalho bem ventilados. E, principalmente, não compartilhem objetos pessoais com ninguém.

Mantenha-se em segurança até o fim da epidemia. Confira algumas dicas:

Evite sair de casa e frequentar lugares cheios sempre que possível. Essa medida visa a contenção do vírus e evitar a superlotação nos hospitais;

Lave as mãos (durante 20 segundos) com frequência, e evite tocar olhos e nariz;

Tenha álcool gel sempre com você, e use ao entrar e sair de cada ambiente;

Não é necessário ter pânico e estocar alimentos e medicamentos. Compre em quantidades normais para que todos tenham acesso aos produtos!

Busque informações junto aos órgãos oficiais – não acredite em receitas caseiras e outras correntes do WhatsApp.