Foto/Divulgação

O Palácio da Inconfidência, sede da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), será iluminado de azul a partir desta segunda-feira (20/9/21). O Setembro Azul é uma homenagem ao Mês da Visibilidade da Comunidade Surda e aos Dias Estadual e Nacional dos Surdos, celebrados no próximo dia 26. A iluminação especial será mantida até o dia 30, como parte do projeto “Laços da Consciência” e a requerimento do deputado Zé Guilherme (PP).

O mês de setembro é marcado por diversos eventos que buscam comemorar conquistas obtidas pela comunidade surda ao longo dos anos, mas também conscientizar sobre a necessidade de ampliação das políticas públicas voltadas para esse segmento.

O mês é também dedicado à língua de sinais, sendo o Dia Internacional das Línguas de Sinais comemorado no dia 23. Essa data marca a criação, em 1951, da WFD, sigla em inglês para a Federação Mundial dos Surdos.

No Brasil, a Lei federal 10.436, de 2002, reconheceu a Língua Brasileira de Sinais (Libras) como meio legal de comunicação e expressão e determinou o apoio na sua difusão e uso pelo poder público. Já o Dia Nacional dos Surdos e o Dia Estadual dos Surdos lembra a criação, no Brasil, da primeira escola de surdos, em 1857. O Instituto Nacional de Educação de Surdos fica na cidade do Rio de Janeiro e ainda oferece ensino especializado para crianças surdas.

O Dia Internacional do Surdo, por outro lado, tem um caráter de resistência. Em 30 de setembro de 1880, no chamado Congresso de Milão, foi proibido o uso das línguas de sinais no mundo. Essa derrota foi revertida ao longo dos anos.

Hoje, no Brasil, o ensino de Libras está devidamente regularizado e a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais está regulamentada. Esse profissional é imprescindível para a acessibilidade das pessoas surdas a todos os ambientes.

Outro símbolo da comunidade de surdos é a fita azul. Seu uso é atribuído aos nazistas, como forma de identificar as pessoas com deficiência que deveriam ser encaminhadas aos campos de extermínio. Tempos depois, ela foi apropriada pelo segmento e passou a ser utilizada como símbolo de orgulho e de lutas e conquistas.

Pesquisa – Estudo divulgado em 2020 pelo Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) indica que mais de 10 milhões de brasileiros têm algum problema relacionado a surdez, o que corresponde a 5% da população do País. Desse total, 2,7 milhões têm deficiência severa e não ouvem nada. A acessibilidade e a inclusão ainda são os grandes desafios para esse segmento.

O Setembro Azul integra, na Assembleia, o “Laços da Consciência”, que reúne ações de sensibilização sobre temas afetos ao bem-estar social dos mineiros, em especial às causas relacionadas à saúde, associando cada uma a meses e cores. Nessas ocasiões, a ALMG promove ações de divulgação e conscientização, para qualificar e dar mais visibilidade ao tema.

Fonte: ALEMG

Compartilhe!