Ao longo do mês de julho, diversos órgãos e entidades públicas de todo país desenvolverão ações para conscientizar a população e intensificar a prevenção e o controle das hepatites virais. Oficializada pela Lei Federal 13.802/2019, a Campanha Julho Amarelo é uma extensão do Dia Mundial das Hepatites Virais, comemorado no dia 28 deste mês.

Segundo o último Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado ano passado, apenas em 2018 foram registrados 40.198 novos casos de hepatites virais em todo o país. De acordo com o levantamento, homens entre 20 e 39 anos são os mais acometidos com a doença.

Conhecida do ser humano há muito tempo, a hepatite é uma enfermidade causada por um vírus e que provoca a inflação do fígado. Se não tratada, pode se tornar uma doença crônica, evoluindo para uma cirrose hepática.

Embora nem sempre apresentem sintomas, as hepatites se manifestam por meio de olhos e pele amarelados, cansaço, febre, mal-estar, tontura, vômitos, dor abdominal, urina escura e fezes claras.

As principais formas de transmissão mais comuns são por contato com sangue contaminado ou por más condições de saneamento básico. Por isso, adotar medidas básicas de higiene, usar preservativo e não compartilhar objetos como alicates, seringas e lâminas, ajudam a evitar a contaminação.

A vacina, disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS), também é uma forma de prevenção, mas apenas contra as hepatites do tipo A e B. Neste último caso, a dose também previne contra o tipo D do vírus. Para fazer um teste rápido de detecção da doença, basta se dirigir à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua residência.

Fonte: ALESP
Compartilhe!