alesc-03-07Difundir instrumentos de participação e transparência na política foi o enfoque da primeira palestra da programação do 24º Parlamento Jovem, no Plenarinho da Assembleia Legislativa, na manhã desta terça-feira (3). A abordagem priorizou dicas e sugestões de sites e portais nos quais os estudantes podem se engajar para conhecer mais sobre política, uma vez que eles convivem no universo das redes sociais digitais.

A palestrante, Melissa Silvestre Figueiredo, que é pedagoga, considera importante “aproximar a juventude de alguns portais de engajamento cívico apartidário para que conheçam outros espaços para expressar suas opiniões, formar um olhar sobre a atual conjuntura e, principalmente, se interessar por esse debate, que é uma necessidade urgente para se possa colher alguma mudança e fazer a diferença nos mais diferentes espaços”. Ela acrescentou que, com a ascensão forte da internet nos últimos tempos, esse se tornou um instrumento muito bem-vindo para promover ações que possam contribuir com uma sociedade mais justa.

Na sequência da programação, os 40 jovens deputados que participam da 24ª edição do evento tiveram uma palestra sobre como elaborar um parecer a uma iniciativa legislativa e qual a função desse instrumento nas comissões permanentes do Poder Legislativo, ministrada pelo consultor legislativo Armando Luciano Carvalho Agostini.

Propostas legislativas
Cada uma das oito escolas representantes das várias regiões do Estado que integram esta edição do programa trouxeram propostas legislativas que serão debatidas nas comissões e, posteriormente, no plenário. O estudante do Colégio Machado de Assis de Joinville, Luiz Guilherme Dobrychtop (16), eleito presidente do 24º Parlamento Jovem, relatou que ele e os colegas vão apresentar um projeto de lei para instituir a Semana de Conscientização dos Primeiro Socorros. “Visa a levar, na terceira semana de outubro, alunos de faculdades de Medicina, Psicologia, Fisioterapia e Educação Física para cuidar da saúde, dar palestras e ensinar os alunos das escolas estaduais”, explicou.

Já o vice-presidente, estudante Fabrício de Souza (17), da Escola de Educação Básica Djalma Bento, de Rio Rufino, destacou uma proposta de emenda à Constituição elaborada pelos representantes de sua escola. “Quando tem um professor substituto em uma escola, muitas vezes ele assume uma área na qual não tem formação específica. A nossa proposta obriga que o professor substituto tenha formação específica, porque a falta disso muitas vezes acaba prejudicando a formação dos estudantes.” Souza explicou que a proposta nasceu da realidade vivenciada pelos alunos em sua própria escola, já que as substituições de professores são frequentes e a falta de formação dos substitutos prejudica o ganho de conhecimento dos alunos.

O Parlamento Jovem
Criado em 2005, por proposição da deputada Ana Paula Lima (PT), o programa Parlamento Jovem, desenvolvido pela Escola do Legislativo Lício Mauro da Silveira, já possibilitou a participação de 800 jovens de escolas públicas e privadas ao longo de dez anos.

A cada edição, participam oito escolas das diferentes regiões do estado, escolhidas por sorteio, sendo cada uma representada por cinco alunos. O objetivo do programa é possibilitar aos estudantes a vivência do processo democrático mediante participação em uma jornada parlamentar, com diplomação e exercício do mandato de parlamentar jovem.

Fonte: ALESC
Compartilhe!