Durante o encontro, a diretora do Museu da Cidade do Recife, Betânia Araújo, ressaltou que os recursos da área de cultura no País costumam ser destinados prioritariamente para eventos efêmeros, enquanto os museus enfrentam dificuldades para preservar seus acervos e os patrimônios arquitetônicos apresentam problemas de conservação. Para garantir verbas aos museus, segundo ela, é necessário atrair uma rede de parceiros e investir em recursos humanos e materiais. “Além disso, não acredito em ‘economia da cultura’ sem um trabalho de educação. Ninguém guarda o que não conhece”, emendou.

O coordenador do MBA em Economia Criativa da Faculdade de Ciências Humanas (Esuda), Thiago Nunes Cunha, fez uma explanação sobre o conceito de economia criativa e debateu arranjos implantados em Pernambuco como o Porto Digital, Cais do Sertão e Paço do Frevo. Ele sublinhou que as atividades baseadas em inovação e criatividade respondem mais rapidamente nos momentos de crise do que os setores produtivos tradicionais. “Inovação, diversidade cultural, inclusão social e sustentabilidade são os pilares para pensarmos em economia criativa. E, dentro disso, os museus são espaços de estudo, preservação e memória que nos conectam ao que nos fortalece cultural e socialmente”, sintetizou.

As atividades incluíram, ainda, uma visita guiada ao Palácio Joaquim Nabuco, com apresentações sobre a história do Poder Legislativo e o acervo museal e arquitetônico feitas, respectivamente, pela historiadora Juliana Sampaio e pela arquiteta Andréa Oliveira de Souza, da Alepe. Também houve apresentação do Coral Vozes de Pernambuco, formado por servidores da Casa. “O evento é extremamente importante para gerar o sentimento de pertencimento da população ao Parlamento pernambucano, além de possibilitar o acesso a documentos históricos”, resumiu a superintendente de

Preservação do Patrimônio Histórico do Legislativo, Cynthia Barreto.

O público presente foi composto por estudantes e professores da Escola Técnica Estadual de Criatividade Musical, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), do Ginásio Pernambucano e do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). “Nunca havia entrado no Palácio Joaquim Nabuco. Foi muito interessante descobrir que o prédio, que é muito bonito, funciona como museu, e saber que antigamente, quando não havia uma separação clara dos poderes, tudo era resolvido aqui”, registrou a estudante Maristela da Silva Pereira, 18 anos, aluna do 2º período do curso de Turismo do IFPE – Campus Recife.

A 10ª Primavera dos Museus, temporada cultural promovida pelos museus brasileiros em parceria com o Ibram, inclui mais de 2 mil atividades especiais, como visitas, palestras, oficinas e exibição de filmes em 753 museus de todo o País.

Fonte: ALEPE

Compartilhe!