Foto: Jarbas Araújo

A Reunião Solene para comemorar os 188 anos da Assembleia Legislativa,  na noite da segunda (3),  destacou a contribuição da Casa para os avanços que marcaram a história de Pernambuco e do Brasil ao longo de quase dois séculos. Parlamentares, servidores e autoridades representando o Governo do Estado, Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública se reuniram no Auditório Sérgio Guerra para celebrar a festa mais importante no calendário de eventos do Legislativo.

A Reunião Solene para comemorar os 188 anos da Assembleia Legislativa,  na noite desta segunda (3),  destacou a contribuição da Casa para os avanços que marcaram a história de Pernambuco e do Brasil ao longo de quase dois séculos. Parlamentares, servidores e autoridades representando o Governo do Estado, Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública se reuniram no Auditório Sérgio Guerra para celebrar a festa mais importante no calendário de eventos do Legislativo.

Ao fim da celebração foi realizado o tradicional corte do bolo de aniversário, que contou com a presença da governadora do Estado, Raquel Lyra, além de deputados, autoridades e funcionários da Alepe. A cerimônia desta segunda deu continuidade à programação do aniversário de 188 anos da Alepe, que  foi marcada pelo passeio ciclístico Pedal Alepe, realizado no último domingo (2).

Discursos

A cerimônia foi aberta com o pronunciamento do presidente da Casa de Joaquim Nabuco, Álvaro Porto. “A Assembleia Legislativa de Pernambuco foi e continua a ser uma Casa que, além de legislar e fiscalizar, acolhe anseios, assegura direitos e, principalmente, viabiliza conquistas da população pernambucana”, destacou o deputado no discurso referente à data.

O presidente da Alepe lembrou que o Poder nasceu durante o Império, em 1835. “Viu nascer a República, atravessou o Estado Novo, a Era Vargas, a primeira redemocratização, a ditadura militar e abraçou a segunda redemocratização”, pontuou. A contribuição de ex-presidentes da Alepe no sentido de engrandecer o Legislativo foi exaltada por Álvaro Porto. “Destacamos os nomes dos deputados Eriberto Medeiros, Romário Dias e do saudoso Guilherme Uchoa, parlamentares que dirigiram a Casa em legislaturas mais recentes”.

A líder da Oposição na Alepe, Dani Portela, também foi à tribuna celebrar a data. Historiadora por formação, a parlamentar exaltou o papel do parlamento como “celeiro” de ideias revolucionárias de grande impacto na trajetória política de Pernambuco e do Brasil.

Além dos avanços promovidos pelo Legislativo pernambucano, a parlamentar também lembrou de retrocessos, como a aprovação de uma lei classificando o Maracatu como “dança de pretos escravos que provocavam a desordem social”. “Mas, ao longo desses mesmos 188 anos, vimos essa Casa valorizar a cultura negra e fortalecer várias iniciativas de religiões de matriz africana”, enfatizou.

Dani complementou que foram necessários 112 anos para que o Legislativo pernambucano contasse com a primeira deputada estadual eleita, Adalgisa Cavalcanti. E mais 185 anos para que a primeira mulher transexual e travesti, Robeyoncé Lima, ingressasse no Poder, por meio do mandato coletivo Juntas, outro pioneirismo na história da Casa de Joaquim Nabuco.

Na sequência, o líder do Governo, Izaías Régis, que exerce seu quarto mandato na Casa, fez discurso enfatizando a importância da instalação do Legislativo estadual, em 1º de abril de 1835.

O deputado afirmou que a data marca a consagração do estado democrático de direito. “Sem democracia não há progresso possível. Apenas com a liberdade e o absoluto respeito às diferenças podemos conseguir uma sociedade livre, justa e solidária, conforme determina a nossa Constituição”, sentenciou o líder governista.

Régis ainda salientou a importância de um trabalho institucional que busque a aproximação com o povo, e ressaltou o papel dos servidores da Alepe. Para o deputado, os funcionários são “o coração e a memória desta Casa”.

Servidores

A contribuição dos servidores da Alepe ao fortalecimento do Poder ganhou realce durante o evento solene. Antônio Pedro de Albuquerque Simões, Brivaldo Eretiano da Silva, Cássia Maria Vieira Ferraz,  Jovêncio Marques Pereira, Maria do Socorro Procópio e Rosângela de Almeida Farias foram escolhidos para a homenagem da Mesa Diretora. Eles receberam placas comemorativas em alusão aos 188 anos da Casa. Apenas Antônio Pedro, servidor efetivo, não pôde comparecer à cerimônia, por motivo de saúde.

Maria do Socorro, servidora homenageada que trabalha  na Alepe desde 1974, discursou em nome dos colegas. Ela afirmou que esse é um dia de reflexões e lembranças: “com orgulho de termos correspondido à responsabilidade de servir ao povo pernambucano, aqui declaramos nosso amor a essa Casa e gratidão pelo reconhecimento ao nosso trabalho”.

O presidente do Sindicato dos Servidores no Poder Legislativo do Estado de Pernambuco (Sindilegis-PE), Ítalo Lopes, que atua na Secretaria Geral da Mesa, fez uma saudação em nome de todos os servidores. Ele destacou a contribuição dos servidores efetivos, comissionados, terceirizados e à disposição que, segundo Ítalo, “constroem de forma silenciosa a memória do Legislativo estadual”. Ele também ressaltou a relevância da Alepe para a formação de lideranças políticas, que incluem a atual governadora Raquel Lyra, a vice-governadora Priscila Krause e da senadora Teresa Leitão – todas com passagem pela Casa.

Música

Além de pronunciamentos, a cerimônia foi pontuada por apresentações musicais. O Coral Vozes de Pernambuco, formado por servidores do Legislativo estadual, entoou obras do cancioneiro regional como “Ai, que saudade d´Ocê, composta por Vital Farias.

O grupo Virtuosos deu continuidade à parte musical da Reunião Solene, trazendo Maestro Spock (sax), Marcos César (bandolin), João Paulo Albertim (cavaquinho), Beto Hortis (acordeon) e Cláudio Almeida (violão). Os músicos apresentaram uma sequência de tradicionais frevos de bloco, incluindo “Evocação Nº 1”, composta por Nelson Ferreira, e “Madeira que cupim não rói”, de Capiba.

Fonte: ALEPE

Compartilhe!