Search
Close this search box.

Há 20 anos como servidor da Assembleia Legislativa do Estado do Pará, o analista de sistemas Orêncio Coutinho Júnior se orgulha por ter vencido o seu maior desafio da carreira. À frente do Centro de Processamento de Dados (CPD) da Casa, Orêncio teve que adequar todo o funcionamento do Setor para a realização dos trabalhos remotos durante o auge da pandemia.

Com o final dos trabalhos no primeiro semestre de 2020, foram contabilizadas mais de 50 horas de transmissão apenas com as sessões plenárias virtuais.

Entre os meses de abril e junho, por exemplo, foram realizadas 24 Sessões Plenárias (Ordinárias e Extraordinárias), totalizando 54 horas e 10 minutos no ar.

Para a Assembleia Legislativa se adaptar à realidade provocada pela pandemia, foi necessário garantir os ajustes jurídicos, com mudanças não apenas no Regimento Interno da Casa, mas também na própria Constituição Estadual. A mudança também se estendeu às reuniões de comissões, que passaram a contar também com “reuniões virtuais com votações remotas, em situações excepcionais previstas na Constituição do Estado do Pará.”

A transmissão das Sessões ocorria diretamente do auditório João Batista, onde foram instalados os equipamentos de tecnologia, tendo a presença do presidente do Legislativo Estadual, que conduziu todo o trabalho em plataforma digital.

O CPD teve que implementar algumas mudanças necessárias, como a solicitação de um link de internet maior, a reformulação da Sala de Servidores, a interligação via fibra óptica com os principais pontos da Casa, a implementação de algumas políticas de segurança nas conferências, e a implantação do acesso Wifi de Alta performance no Plenário e Auditório João Batista, dentre várias outras ações.

As votações ganharam um sistema próprio, com uma plataforma desenvolvida pelo departamento de tecnologia da instituição, em que os parlamentares residentes na capital e no interior estiveram conectados por meio de videoconferência. Além disso, o sistema de reuniões remotas também foi utilizado para as reuniões de comissões e bancadas parlamentares, com o uso de aplicativos de videoconferências.

“Foi um trabalho histórico. Nos sentimos com o dever cumprido. Só recebemos elogios e isso é muito gratificante. Nos estimula a melhorar cada vez mais”, destaca Orêncio.

Para 2021, o CPD da Alepa pretende modernizar a estrutura organizacional do setor, com a criação da seção de redes, que irá se adequar à Lei Geral de Proteção dos Dados e à Lei da Transparência. O que irá garantir um melhor tratamento às informações trazidas.

Fonte: ALEPA
Compartilhe!