Por Nelson Tanure

Empresário e investidor de reestruturação de empresas

Muito se diz (e não à toa) sobre a revolução que o 5G promoverá no mundo. O entusiasmo é motivado, entre outros benefícios, pela conectividade inédita, que transformará a relação entre a humanidade e seu entorno. A chamada Internet das Coisas passa, com a nova tecnologia, a ser uma realidade não apenas vislumbrada, mas experimentada.

Não há dúvidas de que conectar as “coisas” traz muitos benefícios, como aumento de produtividade e economia de tempo — essa moeda tão valiosa. Mas o 5G oferece um ganho ainda maior, pouco comentado nos debates sobre como ficará tudo o que ele toca.

Refiro-me à possibilidade de usar a internet em sua melhor e mais potente versão para proteger e monitorar as florestas, em especial, a maior e mais famosa delas. Nossa prestigiosa e resiliente Amazônia. É de conhecimento geral que o planeta corre contra o tempo para evitar o aumento da temperatura, logo o investimento na infraestrutura que permita esse olhar protetor sobre a floresta é urgente.

No Brasil, o marco da chegada do 5G foi o leilão promovido pela Anatel no último 4 de novembro. Com Copel Telecom (hoje, Ligga Telecom) e Sercomtel, arrematamos importantes lotes, que abrangem uma área onde vive quase metade da população brasileira.

Para compensar a pouca densidade demográfica, a faixa da região Norte foi ofertada atrelada à de São Paulo. Muitos a viam como um “pepino”, um inconveniente. Mas nós começamos a estudar esse negócio e enxergamos ali uma oportunidade. Percebemos que o que parecia um problema era, na realidade, uma solução espetacular: o 5G pode ser uma ferramenta extraordinária aplicada também na proteção do meio ambiente.

Junto com a vitória no Leilão, vieram vários compromissos que podem parecer pouco vantajosos economicamente. Teremos que garantir a cobertura de internet móvel de quinta geração em municípios com menos de 30 mil habitantes e, ainda, instalar rede de fibra óptica em localidades que, atualmente, têm pouca ou nenhuma infraestrutura.

Mas não estamos falando de qualquer localidade ou de quaisquer municípios. Estamos mirando um bioma que é maior do que o conjunto de países que compõem a União Europeia. Estamos falando da porção do Brasil que recebe mais atenção e desperta maior interesse no mundo.

Como uma estrada, a quinta geração das redes móveis terá a utilidade que dermos a ela, povoando-a, explorando todos os seus potenciais, inclusive na floresta.

Imagine o ganho que a conectividade pode oferecer às comunidades indígenas que têm, sem prejuízo de suas raízes e história, o direito de usufruir da tecnologia! Tendo atenção às necessidades de cada grupo, isolado ou contatado, é possível que o 5G forneça meios mais eficientes para o atendimento das demandas de saúde, educação e disseminação da cultura.

O governo brasileiro tem sido cobrado, interna e externamente, pela sua incapacidade de preservar a floresta. Cancelamentos de repasses de fundos internacionais foram amplamente noticiados, sinalizando a perda de confiança no país.

Pergunto: Já que o governo não é capaz de gerir empresas e é por isso que se privatiza como ele vai conseguir administrar a proteção da Amazônia? Tenho essa convicção filosófica: ou a iniciativa privada protege a Amazônia ou, se depender de Brasília, a maior floresta do mundo se transformará em um deserto.

E é óbvio que existe interesse dos empresários em contribuir. Primeiro, porque não são tolos. Segundo, porque existem compensações que precisam ser feitas e, nesse contexto, a proteção da Amazônia pode ser o caminho ideal para indústrias e para o agronegócio. Os interesses humanitários não se contrapõem, em absoluto, à sustentabilidade dos negócios. Da nossa parte, ter a região Norte entre nossas responsabilidades no que diz respeito à implantação do 5G no país traz muitas expectativas. Esse é um assunto que me entusiasma.

Naquela região, onde tanto se usa o transporte fluvial para compensar a ausência das estradas, usaremos o 5G para abrir caminhos. Seremos o meio pelo qual chegarão à floresta as soluções que contribuirão para a preservação desse patrimônio inigualável.

O 5G não apenas permitirá que tenhamos mais eficiência e agilidade. Com a internet da floresta, poderemos dar uma resposta ao mundo e contribuir para que nosso planeta ganhe mais tempo.

Compartilhe!