Por: Julia Fonteles.

Mestranda em Energia e Meio Ambiente pela School of Advanced International Studies.

O progresso no cenário climático certamente é 1 dos acontecimentos que merecem comemoração este ano. O 6º relatório IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima) e o aumento nas discussões sobre o tema foram marcos importantes para alertar o mundo sobre os perigos do aquecimento global.

Aproximadamente 290 GW de nova energia renovável foi instalada em 2021, quebrando o recorde do ano passado, com a China liderando o ranking nas renováveis. O mercado de carros elétricos também atingiu o recorde de vendas, com um crescimento superior a 10% em relação às comercializações em 2020.

Na diplomacia, os Estados Unidos e a China deixaram suas diferenças de lado e concordaram em unir forças para limitar a emissão de gás carbono durante a conferência do clima em Glasgow. A Fundação Rockfeller inaugurou e financiou o programa Global Energy Alliance for People and the Planet para fornecer energia limpa a mais de 1 bilhão de pessoas em países em desenvolvimento. Com os Estados Unidos de volta ao acordo de Paris, outro marco importante e inesperado durante a conferência foi o acordo de metano. Considerado o gás muito mais potente que CO2, a meta de reduzir em 30% a emissão de metano  até 2030 foi bem recebida pela comunidade climática.

Em outra frente, grandes cidades lideram os esforços de políticas públicas green. Na semana passada, Nova York aprovou uma legislação banindo o uso de gás natural na construção de novos prédios, medida que entra em vigor em 2023. O Estado é o 6º maior consumidor de gás natural dos Estados Unidos e essa nova legislação é promissora, pois estabelece um precedente importante para outras cidades metropolitanas….

O compromisso do setor privado também merece destaque especial. No setor financeiro, mais de 450 instituições assinaram o GFANZ (Glasgow Financial Alliance for Net Zero), incluindo bancos como Wells Fargo, Goldman Sachs, JPMorgan, entre outros. O objetivo do acordo é assumir compromissos de zerar emissões de carbono até 2050.

Vale lembrar que o aval das instituições financeiras é indispensável para o financiamento de novas tecnologias e o avanço na descarbonização nos setores mais complicados, como indústria e agricultura. O maior financiamento de hidrogênio verde e equipamentos de captura de carbono é essencial para a comercialização de tecnologias inovadoras. A queda no preço das baterias é um exemplo de incentivos fiscais e maior acesso a crédito. Outro exemplo da cooperação é o exemplo do Poseidon Principles, um fundo de US$ 100 bilhões composto por 11 instituições financeiras, que visa a reduzir as emissões de.carbono de navios de carga.

Quase metade das empresas de capital aberto assumiu compromissos de redução nas emissões de CO2 durante a COP 26. Mas nem todo compromisso leva a resultados imediatos. Na semana passada, um relatório publicado pela ONG Center for Countering Digital Hate fez um alerta à política do Google de eliminar propagandas que alimentam o negacionismo climático. Segundo o relatório, ao menos 50 novos anúncios contra a ciência da mudança climática ocuparam espaço nos anúncios na empresa de tecnologia, que diz estar tomando as providências necessárias.

A retrospectiva do esforço coletivo nesse ano mostra que a mudança climática está sendo levada a sério, e que existem esforços concretos para caminhar para um mundo livre de carbono. Ainda há muito a ser feito, mas tudo indica que estamos no caminho certo.