Eduardo Botelho é presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual pelo DEM

Muitas vezes passamos por momentos difíceis. E, quando temos algo inédito, inesperado, não planejado, encontramos mais dificuldades ainda. Neste caso sempre temos duas escolhas: esperar ou enfrentar com as armas e a coragem que possuímos. A Covid-19 chegou no Brasil e, em Mato Grosso mudando toda a rotina. A Assembleia Legislativa do Estado optou por enfrentá-la com todo o rigor que a nova rotina requer. Sessões pelo método online, servidores do grupo de risco afastados e em home office, testes e desinfecção do prédio.

O fato é que estamos passando por um momento histórico, em detrimento ao que se tornou a pandemia do coronavírus! Um inimigo invisível, fatal para milhares de pessoas no mundo. É como o próprio ex-ministro da Saúde, Luiz Mandetta falava quando ocupava o cargo: “O século vai se dividir em antes e depois do coronavírus”.

Então, como agir com a celeridade que o momento pede? São muitos os questionamentos. Aqui no Parlamento, desde o início da suspensão das atividades para conter a proliferação do vírus em Mato Grosso somamos esforços para ajudar. Desde o dia 18 de março, quando convoquei a primeira sessão extraordinária remota, com a participação dos 24 deputados, muitas ações vêm sendo realizadas graças à votação dos projetos que deram celeridade e condições ao Governo para enfrentar a pandemia. A exemplo da reforma e ampliação do Hospital Metropolitano de Várzea Grande num prazo recorde. Além do repasse de 10 milhões de reais da Assembleia Legislativa à obra, o trabalho em Plenário, eliminou a burocracia do processo licitatório.

A Assembleia Legislativa está nessa luta intensamente. Com ações enérgicas para ajudar Mato Grosso a superar a pandemia de maneira menos dolorosa. Sim, debatemos e aprovamos mais de 100 projetos de lei diretamente necessários ao combate da Covid-19. Inclusive, chegamos a propor ao governo a criação da Central Única de Regulação, para que o tratamento dos infectados pela Covid-19 seja mais rápido e eficaz.

E como reforço, também fizemos cortes profundos nos gastos da Casa de Leis para economizar e, assim, devolver R$ 30 milhões ao governo para investir, exclusivamente, no combate à pandemia. Estamos muito satisfeitos que desse valor, R$ 10 milhões foram investidos à ampliação do Hospital Metropolitano de Várzea Grande, que passa a disponibilizar mais 210 leitos, sendo 180 de enfermarias e 30 de UTI.

Vale lembrar que ainda não vencemos a batalha. Sabemos que o que vem pela frente é muito grande, com forte impacto na saúde e economia. Contudo, envidamos ações para minimizar a situação, seja na questão sanitária, no reforço estrutural da saúde, no socorro financeiro ao Estado ou com medidas para apoiar os setores econômicos.

Outra preocupação se refere à nossa gestão junto aos Poderes para ajudar os professores interinos, aqueles que não tiveram o contrato efetivado pelo Executivo e passam por necessidade financeira. Chegamos a pensar na aprovação de uma ajuda de custo até o retorno das aulas. Criamos um comitê estratégico para analisar a possibilidade do momento certo da volta às aulas com segurança.

É certo que essa pandemia deixará marcas profundas em nosso país e em Mato Grosso. O enfrentamento nos proporciona dias difíceis, de muito trabalho, mas ao mesmo tempo, reascende nossas esperanças ao ver o empenho de todos nessa luta. A exemplo da criação do Observatório Socioeconômico, comissão mista que acompanha os impactos econômicos e sociais. A nossa mobilização junto ao setor produtivo, através da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa), resultou na doação de milhares de Equipamento de Proteção Individual – EPI para abastecer hospitais e outros setores, como o da Segurança Pública.

Paralelamente, decretamos luto oficial no âmbito do Poder Legislativo Estadual, em solidariedade às famílias que perderam seus entes queridos e que não tiveram oportunidade do último adeus.

Graças a esse trabalho e união dos poderes constituídos, somados à contribuição da sociedade, que precisa respeitar o isolado social, seguimos firmes no combate à pandemia. Algumas atividades estão sendo retomadas, mas de nada valerá tanto esforço, se a sociedade relaxar e não seguir os cuidados recomendados pela Organização Mundial da Saúde – OMS. Lembre-se: o vírus está aí, mas depende de cada um de nós agir com responsabilidade para ganharmos essa guerra.

Sei que nós, mato-grossenses, gostamos de um abraço forte, de apertar a mão firme. Mas, no momento não podemos. Precisamos cumprimentar de longe, respeitar o distanciamento, usar máscara e, se puder, ficar em casa. Dessa forma, tenho certeza que o momento é de união e com as bênçãos do nosso Senhor Jesus Cristo, juntos, vamos vencer o coronavírus!