alespEducadores, estudantes, representantes de entidades ligadas à Educação e deputados se reuniram nesta quinta-feira (23/5), no auditório Paulo Kobayashi da Alesp, para uma audiência pública com o tema “Universidades em Debate”. O assunto principal abordado foi o repasse de verbas para as universidades, mas o encontro serviu também para coletar informações sobre a real situação dessas instituições.

A deputada Professora Bebel (PT), coordenadora da audiência, ressaltou que despesa com educação não deve ser considerado gasto, mas sim investimento do estado. Segundo a deputada, a educação básica deve ser fortalecida para que todos possam ter condições de ingressar em universidades públicas, onde hoje a maior parte dos estudantes vem de colégios privados.

Bebel frisou a importância da política de cotas, que possa garantir o direito à educação e às universidades públicas a todos.

O presidente da Associação dos Docentes da Universidade Estadual Paulista (Adunesp), João Chaves, explicou que, com o processo de expansão ” aumento de matrículas, contratação de professores e funcionários, disponibilidade de novos cursos “, as universidades estaduais paulistas estão passando por uma crise de financiamento. Dessa forma, os reitores reivindicam o aumento do repasse do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços Quota-Parte do Estado (ICMS-QPE), que não é reajustado desde 1995. O imposto é direcionado ao Centro Paula Souza, à Unesp, à Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e à Universidade de São Paulo (USP) em um valor de 9,57%.

“A insuficiência financeira é outro grande problema que estamos enfrentando, ou seja, a diferença entre o que é arrecadado dos servidores estatutários para o pagamento de aposentadorias e pensões, que não é capaz de dar conta de pagar tudo isso. Essa responsabilidade é do tesouro do estado, e não das universidades e o governo está se negando a cumprir há alguns anos”, ressaltou.

“A nossa vontade é que a educação brasileira avance, seja de ótima qualidade, que o ensino em sala de aula seja extremamente produtivo. O que temos aqui na mesa são visões divergentes de como chegar lá. Queremos que o estado tenha um ambiente produtivo de pesquisa”, comentou Daniel José (NOVO) sobre o encontro.

Fonte: ALESP
Compartilhe!