alescLages recebeu nesta terça-feira (28), em um dos auditórios da Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), a quarta edição do Seminário Estadual sobre Gestão de Cultura, iniciativa da Comissão de Educação, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa e Escola do Legislativo Deputado Lício Mauro da Silveira. O evento – que já havia sido realizado em São Miguel do Oeste, Chapecó e Caçador – reúne artistas, produtores culturais e gestores municipais de cultura para uma capacitação sobre todo o sistema de financiamentos públicos para o setor.

A presidente da comissão, deputada Luciane Carminatti (PT), destacou que o seminário é uma ação de longo prazo para mudar o setor. “Temos ciência de que o fato de tirar essa capacitação lá da Capital, ir pra todas as regiões e mobilizar para todas as pessoas participarem é uma semente que nós estamos plantando”, avaliou a parlamentar. “É a primeira vez que a Assembleia está fazendo e acho que a gente tem que continuar para, de fato, criar outra perspectiva neste setor”, completou.

Carminatti identifica uma resistência dos próprios agentes culturais em discutir o tema, em entender o sistema de captação de recursos. “A gente precisa sair do viés apenas da produção em si, da elaboração dos espetáculos, de atividades, de ações na área cultural, mas também compreender como se dá hoje a política cultural do ponto de vista do sistema e do financiamento”, ressaltou.

A parlamentar aposta em “um despertar maior do setor” nos próximos seminários para sair do que ela chama de “política do balcão, do pires na mão”. “O sistema cultural é como o SUS [Sistema Único de Saúde], ele tem um sistema, tem repasses fundo a fundo, apresentação de projetos, editais públicos, e a gente precisa capacitar quem faz cultura para entender essa dinâmica.”

Atenção às mudanças
O superintendente da Fundação Cultural de Lages, Gilberto Ronconi, afirmou ser importante para os municípios a participação em atividades como essa promovida pela Assembleia, principalmente neste momento de mudanças de políticas para o setor nos governos federal e estadual. “Precisamos estar atentos a todas essas mudanças e procurar sempre novas informações, novos caminhos, porque o desafio da cultura é muito grande, é diário”, disse.

Ronconi acredita que o fato de lidar com dinheiro público exige cada vez mais cuidados – e é aí que entra a capacitação e a importância do trabalho realizado pela Comissão de Educação a partir de uma solicitação do Conselho dos Gestores Municipais de Cultura (Congesc). “Temos que capacitar nossos agentes para que eles estejam aptos a realizar esses projetos com sucesso, com prestação de contas, para que cada vez mais nós tenhamos acesso a mais incentivos, mais verbas, e difundir cada vez mais nossa cultura”, finalizou.

Fonte: ALESC
Compartilhe!