d122ac12faa1e725407026bf2ca6dc050421909bComposta por 15 obras, a exposição “Ancestrais”, do artista plástico Rica de Lucca, segue até o dia 27 de abril, no Espaço de Cultura do BRDE. Conhecido por transformar tapumes em obras de arte, o profissional traz em sua composição um recorte da arte que permeia as ruas para as galerias.  Marcada por elementos primitivos, retratos, referências e particularidades da cultura indígena, presentes nos costumes dos povos ancestrais, a mostra revela um mundo de aceleradas evoluções e consumo desenfreado. De acordo com o artista, a proposta é causar ao espectador um olhar sobre si mesmo, na busca de suas origens e raízes.
Segundo Rica, a inspiração para a arte plástica se desenvolveu a partir da sua criação na área têxtil, onde produzia estampas, desenhos e pinturas em tecido. Em seu trabalho reproduzido nas telas, em especial na mostra “Ancestrais”, ele valoriza a grande sabedoria dos povos indígenas por sua conectividade com a natureza. “Em tempos tão turbulentos, resgatar a vivência dos povos anteriores é propor uma reflexão à sociedade sobre os hábitos criados nos dias atuais.”

Ação social
Na ocasião, Rica mencionou que além das delas, promove ações sociais utilizando o trabalho do grafite. Para o artista, a arte apresentada ao ar livre é uma forma de democracia que permite o acesso ao olhos de qualquer pessoa. “O grafite permite que uma arte fechada em um livro possa ser vista por muitos. Além de despertar o interesse de muitas crianças e adolescentes, desenvolvendo a importância da pesquisa e curiosidade. Esse é uma forma de despertar a arte de maneira mais espontânea.”

Fonte: ALESC
Compartilhe!