6cb9524caf146094de2eff4cff9b26a371171fe3

O lugar das escolas não é para dogmas ou crenças, escola é lugar de ciência. Essa é a principal defesa da Frente Parlamentar em Defesa da Ciência na Escola lançada na tarde desta terça-feira (3) no plenarinho da Assembleia Legislativa, com a presença de professores e representantes de entidades educacionais catarinenses. Durante o evento foi apresentado a Carta do Seminário “Escola é Lugar de Ciência”, realizado em agosto de 2019, com principais diretrizes apontadas pelos participantes, que será encaminhada às instituições de ensino públicas e privadas da educação básica, média, superior e tecnológica de Santa Catarina.

A deputada Luciane Carminatti (PT), coordenadora da frente e proponente da reunião, explicou que em agosto de 2019 foi realizado o 1º Seminário Catarinense “Escola é lugar de ciência”, com a presença de mais de 700 professores e estudantes, na Assembleia Legislativa, onde foi debatido o tema e o lançamento da frente parlamentar. Ela afirma que a frente tem como objetivo acolher todos os encaminhamentos do encontro, como, por exemplo, a promoção de seminários regionais. “Já temos solicitações de seminários no Oeste, Sul, Planalto Norte e no Vale do Itajaí, que tem como meta reproduzir a discussão do encontro realizado na Assembleia, contemplando os institutos federais e as universidades, toda educação básica, infantil, médio e o ensino tecnológico”.

Carminatti salienta que a frente tem como meta ainda dizer à sociedade que lugar da escola não é lugar do dogma, não é lugar da fé, lugar da escola é lugar da ciência. “A escola é lugar do espírito científico, da criticidade, é o lugar da investigação teórica, é o lugar do aprofundamento do experimento. Esse é o papel da escola. Se a escola não fizer isso, ninguém mais vai fazer. Daí nós só teremos um conhecimento parcial, superficial e extremamente precário. Então, esse é o encaminhamento que queremos dar a partir do lançamento frente.”

Durante o evento, ficou definido que serão criados grupos de trabalho, integrado por membros da comunidade científica e educacional catarinense, que tem uma organização própria em cada região, para definir as datas e locais dos seminários regionais.

O secretário regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência de Santa Catarina (SBPC-SC), André Ramos, observou ainda que durante o seminário em 2019 e no lançamento da frente parlamentar ficou claro que há uma necessidade de políticas públicas que implementem a cultura da ciência nas escolas. “Apesar de já existir previsão de base curricular, sabemos que a ciência nas escolas ainda é precária. Precisamos de programas específicos que fometem a ciência nas escolas, como estimular os professores da rede pública a se dedicarem a pesquisa, que isso possa ser previsto na carga de trabalho dos professores, que a atividade voltada à ciência possa ser considerada no plano de carreira do professor.”

Ramos diz ainda que a frente parlamentar pretende também estimular que se realizem pesquisas nas escolas. “Isso não é uma prática comum nas escolas brasileiras. Historicamente, muito pouco apoio foi realizado para que de fato exista uma vivência cientifica de qualidade nas escolas, até porque isso passa pela formação e valorização de professores.” Integram também a frente os deputados Fabiano da Luz (PT), Neodi Saretta (PT), Marlene Fengler (PSD), Paulinha (PDT), Valdir Cobalchini (MDB), Ada De Luca (MDB) e Luiz Fernando Vampiro (MDB).

FONTE: ALESC
Compartilhe!