alece_mosquitosO presidente da Assembleia Legislativa, deputado Zezinho Albuquerque (PDT), instalou, nesta terça-feira (29/03), a Frente Parlamentar de Combate ao Mosquito Aedes aegypt. A iniciativa atende a requerimento do deputado Carlos Matos (PSDB), que presidirá o colegiado.

O presidente da AL assinalou que apesar de ser um momento grave atravessado pela população, os órgãos de comunicação não têm dado a devida atenção ao problema de saúde pública. Ele salientou que se antes o mosquito era transmissor apenas de dengue, hoje transformou-se também no vetor das enfermidades chikungunya e a zika, esta capaz de causar a microcefalia em fetos.

Zezinho Albuquerque disse que a frente terá como missão acompanhar todas as ações de combate ao mosquito realizadas pelo Estado e pelos municípios, apontando sugestões para que o o enfrentamento ao problema seja mais efetivo. Além disso vai procurar esclarecer e mobilizar a população do Estado, no sentido de erradicar o mosquito e, consequentemente, evitar novos contágios.

“O deputado Carlos Matos foi muito feliz em propor a criação desta frente suprapartidária que, sem dúvidas, irá apontar muitas sugestões para contribuir para o fim das doenças transmitidas pelo mosquito”, enfatizou o presidente.

O deputado Carlos Matos agradeceu a confiança nele depositada pela Presidência da Assembleia, que o conduziu ao comando da frente. O tucano observou que a ideia de sugerir a criação desta composição foi a resistência da epidemia após vários anos de combate. “Vamos verificar o que está acontecendo de errado nestas ações, ao mesmo tempo vamos propor medidas que contribuam para um combate mais efetivo do mosquito”, pontuou. Ele explicou que o trabalho da frente abordará três pontos: diagnóstico das epidemias, problemas e dificuldades e mobilização da sociedade.

O deputado Leonardo Pinheiro (PP), que ocupará a relatoria, salientou que a frente tem um importante papel a cumprir. “Mais uma vez a Assembleia fez um gol de placa, extrapolando as suas funções de fiscalizar e produzir leis para abraçar uma questão social tão importante” ressaltou.

O relator observou que pela primeira vez no país as mulheres estão sendo recomendadas a não engravidar diante das repercussões da doença Zyca na formação dos fetos, causando a microcefalia. “Isso não tem precedentes na história da medicina”, salientou.

O deputado Roberto Mesquita (PSD) sugeriu que o comitê buscasse também o engajamento das câmaras municipais, de forma a dar maior amplitude ao trabalho. “O Brasil, em condições bem menos favoráveis, já enfrentou com sucesso a febre amarela e a peste bubônica. Assim, temos todos os meios de enfrentar nos dias de hoje essas doenças”, pontuou.

O deputado Capitão Wagner (PR) considerou importante a sugestão de Mesquita, e sugeriu que os vereadores de todas as cidades “que estão na ponta”, poderão dar uma importante contribuição. “É uma batalha árdua e a imprensa também terá um destacado papel nessa luta”.

O deputado Evandro Leitão (PDT) também parabenizou a iniciativa como uma ação suprapartidária. “Vamos fazer um diagnóstico através de levantamentos e também fiscalizar a lei aprovada pela Assembleia, que permite aos agentes de saúde a fiscalizar os imóveis que se encontram fechados”, disse.
Também participou do evento o chefe de gabinete da Presidência, Roberto Mendonça.

Fonte: ALECE

Compartilhe!