Segunda dose da vacina contra Covid-19 alcança 1,4 milhão de pessoas no DF

Foto/Divulgação

A segunda dose da vacina contra a  Covid-19 foi aplicada em 1.402.505 pessoas no Distrito Federal até a noite deste sábado (16), segundo a Secretaria de Saúde (SES-DF). O grupo que recebeu dose única soma 58.072 imunizados.

Conforme monitoramento do consórcio de veículos de imprensa, o número representa 47,2% da população, o que deixa o DF em 7º lugar no ranking nacional de imunização. São Paulo lidera a lista, com 63% da população vacinada, e Roraima é o último colocado, com 25%.

Desde 21 de setembro, a segunda dose ou dose única deixou de ser considerada a última etapa da imunização. A dose de reforço, destinada a quem tem 60 anos ou mais, já alcança 57.106 pessoas, e 7.051 imunossuprimidos graves receberam a dose adicional. Ao todo, 64,1 mil pessoas no DF receberam a aplicação extra (veja detalhes mais abaixo).

Apenas neste sábado (16), os postos da capital atenderam 3.972 pessoas com a segunda dose. Há antecipação para quem recebeu Pfizer ou AstraZeneca e tinha reforço previsto até 5 de novembro.

Primeira dose

A SES-DF contabiliza 2.227.385 atendimentos de primeira dose. Até sexta-feira (15), a capital federal ocupava o 5º lugar no ranking de vacinados com esta etapa no país, com cobertura de 71,9% da população. Já nesta sábado, caiu para a 7ª posição.

O primeiro lugar é do estado de São Paulo, com 79,8%. Em último também está Roraima, com 50,9%.

A queda do DF em duas posições ocorre no período em que a vacinação de adolescentes foi suspensa por falta de doses. Na última semana, já havia redução dos postos, que se concentravam apenas na região norte do Distrito Federal. Já neste sábado (16), a imunização foi aberta apenas para pessoas com 18 anos ou mais.

Na última quinta-feira (14), a SES-DF informou que há previsão de retomar a imunização das faixas etárias de 12 a 17 anos a partir de segunda-feira (18), após a chegada e distribuição de nova remessa da Pfizer.

Dose de reforço e adicional

Com base em estudos que comprovam maior proteção contra o novo coronavírus, o Ministério da Saúde passou a recomendar, desde setembro, a aplicação de mais uma dose da vacina. Conforme planejamento do governo federal, estão sendo priorizadas as pessoas com 60 anos ou mais, profissionais de saúde e imunossuprimidos graves.